O Conselho de Segurança das Nações Unidas impôs sanções contra o grupo radical islâmico Boko Haram, cinco semanas depois de terem sido raptadas mais de 200 estudantes na Nigéria. A partir de agora, o grupo faz parte de uma lista de organizações associadas à al-Qaeda e está sujeito a embargo de armas e de financiamento. A embaixadora dos Estados Unidos da América, Samantha Power, disse à BBC que a ação das Nações Unidas foi “um passo importante no apoio ao governo da Nigéria para derrotar os Boko Haram”.

A semana passada, a Nigéria, que neste momento ocupa um dos lugares não permanentes no Conselho de Segurança, pediu formalmente à ONU que o grupo terrorista fosse adicionado à lista de organizações que têm ligações à al-Qaeda, de acordo com um documento confidencial a que a Reuters teve acesso. Os restantes 14 membros do Conselho tiveram até as 15:00 (hora local) de quinta-feira para se opor ao pedido e ninguém o fez.

“A partir de agora quem tentar fornecer assistência aos Boko Haram, seja armas ou financiamento, será impedido”, disse o presidente do comité para as sanções  a organizações relacionadas com a al-Qaeda.