Crise no PS

Seguro resiste a convocar congresso

1.355

Direção diz a Costa que tem que reunir os apoios necessários se quiser marcar um congresso extraordinário. Apoiantes de Costa atacam de volta: "Situação é para clarificar já".

Seguro só quer congresso em 2015

© Hugo Amaral

Autores
  • Helena Pereira
  • Liliana Valente
  • David Dinis

António José Seguro não pretende tomar qualquer iniciativa para convocar um congresso extraordinário, na sequência do anúncio da disponibilidade de António Costa para disputar a liderança do PS.

“Quem quiser convocar um congresso extraordinário tem que reunir apoios para convocar democraticamente um congresso extraordinário. Este é um partido democrático com regras e não há nenhum congresso antes do final de 2015”, afirmou ao Observador fonte da direção socialista, acrescentando sobre Costa: “Não se entendem divisões quando devíamos estar todos unidos em torno da vitória” nas eleições europeias.

António José Seguro e António Costa, de qualquer forma, ainda deverão conversar nas próximas horas. Costa afirmou esta terça-feira de manhã que iria encontrar-se com o secretário-geral do PS quarta-feira. Para já, a vontade da direção é resistir a ser ela própria a pedir o congresso extraordinário, face à pressão interna. Segundo os estatutos do PS, a convocação de um congresso extraordinário só pode ser feita pelo secretário-geral, a comissão nacional ou a maioria das federações (que representem mais de metade dos membros inscritos no partido).

A contar apoios

Junto a António Costa, a notícia já colhe reação: “O líder quer fazer o quê? Vai ficar em casa fechado, a dizer ‘não marco, não marco’?”, questiona um dos mais influentes apoiantes do autarca.  “Vai ser frito na opinião pública”, insiste a mesma fonte.

Pedro Nuno Santos, um dos líderes federativos que está com Costa, em declarações ao Observador atira direto: “É do interesse de todos e do secretário-geral em particular clarificar a situação interna neste momento. Isto deve ser resolvido pela via política e não pela estatutária”.

Assim sendo, ao desafio, os de Costa respondem com outro: “Vamos deixar os militantes todos escolher, em eleição direta, o secretário-geral do partido”, disse o presidente da Federação de Aveiro.

A Pedro Nuno junta-se Pedro Delgado Alves. O deputado diz ao Observador que a decisão de Seguro”não é um bom caminho” porque existe um debate já lançado “e é necessário que ele se faça e seja clarificador”. E responde diretamente à fonte oficial do Rato que disse que o partido tinha regras: “Pode ser o próprio secretário-geral a convocar o congresso extraordinário. Assim, se for ele a provocar o debate, também se respeitam as regras”, diz.

Também Manuel Alegre defendeu, em declarações à SIC-Notícias, que Seguro deve convocar um congresso. Ainda que sem declarar apoio a ninguém.

Os apoiantes de António Costa estão neste momento em contactos com militantes e dirigentes de federações distritais. Ao Observador, dois costistas disseram já ter a certeza de ter três federações de grande dimensão a apoiar António Costa: Lisboa, Açores e Aveiro. A “virar” estão as federações de Portalegre, Braga e Porto, garantem os mesmos apoiantes de Costa. A direção contra-ataca. Ao Observador, fonte próxima de Seguro diz que as federações de Porto e Braga estão com o líder e que as federações de Açores e Lisboa “estão partidas”. Já quanto à federação distrital de Pedro Nuno Santos, Aveiro, fonte próxima da direção diz que “só o presidente” (Pedro Nuno) está com António Costa. Certo é que a contagem das espingardas já começou com ambos os lados a ver que está com quem.

Quem já veio apoiar António José Seguro foi Francisco Assis. O cabeça-de-lista às eleições europeias e membro do secretariado-nacional do PS, disse em declarações aos jornalistas que “a questão da liderança não se deve colocar nestas circunstâncias”, mas que se António Costa mantiver a intenção, então Assis estará do lado do secretário-nacional. “Neste momento quero afirmar que apoiarei uma recandidadura de António José Seguro à liderança”. Assis, que não pertencia à mesma ala de Seguro, disse não querer criticar Costa e esperar pela conversa que Seguro terá com o presidente da Câmara de Lisboa, mas não deixou de dizer que “não é correto estarmos a abrir uma crise da liderança do PS”.

 

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)