Teodora Cardoso

Chumbo do Constitucional não põe em causa a credibilidade do país

A presidente do Conselho de Finanças Públicas falava no Parlamento, onde referiu também a necessidade de ajustar o Documento de Estratégia Orçamental para os próximos anos.

Órgão dirigido por Teodora Cardoso diz que há medidas "muito díspares" no DEO

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Teodora Cardoso, disse esta terça-feira na Assembleia da República que o chumbo do Tribunal Constitucional não põe em causa a credibilidade do país.

A economista respondia, na audição do Conselho de Finanças Públicas na Comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, a uma questão colocada pelo deputado socialista João Galamba sobre os impactos do chumbo do Tribunal Constitucional na credibilidade do país.

“Essa [de que afeta a credibilidade] não é de todo a minha posição. Pelo contrário: a credibilidade de um país depende da credibilidade das suas instituições. Essas instituições podem funcionar melhor ou pior. Mas temos de viver com elas e de nos adaptar a elas”, afirmou Teodora Cardoso.

A presidente do CFP alertou ainda para a necessidade de adaptar o Documento de Estratégia Orçamental (DEO), depois de o Tribunal Constitucional ter declarado três medidas do Orçamento do Estado inconstitucionais.

“Ainda existe o DEO. Trata-se agora de o ajustar, o que é sempre possível. Não vejo que exista aqui negação da existência do documento”, disse a economista, respondendo a outra questão do deputado socialista.

João Galamba invocou as declarações de segunda-feira do vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, que considerou que o ‘chumbo’ do Tribunal Constitucional “pode pôr em risco e ferir as opções” do DEO ao chumbar o corte nos salários, para questionar sobre a viabilidade do documento.

Teodora Cardoso foi ouvida no Parlamento para debater a análise do CFP ao DEO 2014-2018, na qual considera que as medidas para 2014 e 2015 incluídas no documento são “muito díspares” e “ditadas pela urgência de conseguir resultados orçamentais”.

A instituição lamenta que, nesse sentido, o Governo não proponha “a necessária revisão estrutural do processo orçamental e da reforma dos serviços que as administrações públicas prestam à sociedade ou do modo como os fornecem”.

O documento sublinha ainda que o Governo pretende manter a carga fiscal atualmente em vigor até 2018 e apela ao Governo para que identifique o impacto do aumento das despesas com o sistema de pensões e as Parcerias Público-Privadas (PPP), considerando que existe uma “insuficiente descrição” das pressões orçamentais no DEO.

No documento, a instituição refere ainda que Portugal poderá reduzir a dívida para os 60% do PIB em 2042 se mantiver um défice estrutural de 0,5% a partir de 2017 e se apresentar excedentes primários superiores a 4% durante mais de uma década.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
181

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)