Os pais e maridos das mulheres consideram que a exigência não é exequível, já que o gado figura como o seu principal meio de sobrevivência, indicaram fontes policiais ao jornal nigeriano Leadership. O sequestro ocorreu na passada quinta-feira no acampamento nómada de Garkin Fulani. Depois de assaltar o acampamento, o grupo de atacantes obrigou as mulheres a entrarem para carrinhas, ameaçando-as com armas.

Segundo fontes do governo do estado de Borno, citadas pela agência Efe, as mulheres foram levadas para local incerto “pelo mesmo caminho pelo qual foram levadas as meninas sequestradas”, a 14 de abril.

O Boko Haram tem levado a cabo uma rebelião cada vez mais sangrenta desde 2009, numa tentativa de criar um estado islâmico na Nigéria. Milhares de pessoas já morreram nos seus ataques e na subsequente resposta das autoridades.