Bilionários. Quem são, onde estão e com quantos zeros se escreve o saldo das suas contas bancárias? A curiosidade aguça-se, sobretudo, quando o último estudo da Knight Frank, o The Wealth Report 2014, estima que o número de bilionários no mundo cresça 37% nos próximos dez anos face a 2013. Serão 2.315 os indivíduos com mais de 30 milhões de dólares [22,2 milhões de euros] em investimentos, em 2023, diz a Knight Frank.

O crescimento das fortunas na próxima década já tem coordenadas no GPS e o caminho segue para Este. Surpresa? Não, caso se tenha em conta que a projeção da Knight Frank aponta para que o número de milionários chineses (investimentos superiores a um milhão de dólares) cresça 80% na próxima década, e o número de bilionários cresça ao mesmo ritmo.

Em 2023, estima-se que existam 322 indivíduos com fortunas superiores a mil milhões de dólares na China. O número de bilionários chineses é maior do que a soma daqueles que vivem no Reino Unido, Rússia, França e Suíça.

“A China está a encorajar o desenvolvimento do setor financeiro, que é a primeira fonte de riqueza e prosperidade em vários mercados globais. As novas reformas anunciadas pelo Governo chinês, desenhadas para revigorar o setor financeiro do Estado e permitir a privatização dos bancos, vai levar inevitavelmente a que haja mais disponibilidade de crédito para a crescente classe média. Isto vai fazer com que o seu poder de compra aumente, tornando-se numa fonte de receita para os milionários”, explica Ouliana Vlasova, analista responsável na WealthInsight.

A Índia é o segundo caso de sucesso na Ásia. As estimativas para a terceira maior economia do mundo apontam para que o número de bilionários duplique até 2023, mais 98%, e atinja os 119 indivíduos, ultrapassando o Reino Unido no Top 5 dos países com mais bilionários.Na Indonésia, até 2023, o número de bilionários vai crescer 146%. Serão 56, segundo a WealthInsight.

O crescimento dos bilionários nos Estados Unidos será de 21%, segundo o estudo, e atingirá as 503 pessoas, mantendo-se líder no ranking para 2023.

Até 2023, o número de bilionários vai crescer sobretudo na Ásia (66%), em África (52%), na América Latina (45%) e no Médio-Oriente (35%), mas não vai ser suficiente para destronar os Estados Unidos da América do top dos países com as pessoas mais ricas do mundo, segundo os dados relativos a 2013.

O crescimento no país presidido por Barack Obama será de 21%, segundo o estudo, e atingirá os 503 bilionários, mantendo-se líder no ranking para 2023. Em segundo lugar, surge a China, em terceiro a Rússia, com um crescimento de 39%, em quarto a Índia, a subir 98%, e em quinto o Reino Unido, com mais 18%. Na Europa, prevê-se um crescimento de 25%.

Em 2013, existiam 1.682 bilionários no mundo, mais 3% do que no ano anterior, apesar das crises económica e financeiras que se viveram (e vivem) em vários países, segundo o estudo promovido pela Knight Frank. São, sobretudo, homens (88%), casados (95%) e self made man (65%), ou seja, empreendedores com sucesso.