No final da Comissão Nacional do PS, que se realizou em Ermesinde, concelho de Valongo, dezenas de populares aplaudiram o secretário-geral, António José Seguro, quando saiu da reunião, mas depois, alguns deles, insultaram o presidente da Câmara de Lisboa.

Para Alberto Costa, ex-ministro da Administração Interna e da Justiça dos governos de António Guterres e de José Sócrates, são “inaceitáveis e graves os insultos e tentativas de agressão a António Costa”.

“Insultos e agressões de que no passado alguns de nós fomos vítimas, como aconteceram com Mário Soares”, acrescentou Alberto Costa na sua declaração à agência Lusa.

De acordo com o deputado socialista, os episódios ocorridos em Ermesinde “têm a gravidade de virem do interior do PS”.

“É por isso grave que a presidente do PS, Maria de Belém, e o secretário-geral, António José Seguro, ainda não tenham vindo condenar este ato e promover o apuramento de responsabilidades, como se impõe, para evitar qualquer hipótese de repetição do sucedido. Qualquer omissão neste domínio pode representar uma responsabilidade muito grave em relação ao futuro”, advertiu ainda o ex-ministro socialista.