Cerca de 60 pessoas morreram no estado indiano de Tripura, nas últimas três semanas, na sequência de um surto de malária, que já infetou mais de 18 mil pessoas, disse à agência espanhola EFE uma fonte oficial.

Os primeiros casos foram detetados a 10 de junho, no distrito de Dhalai, naquele estado do Nordeste da Índia, mas a doença propagou-se às zonas tribais de outras quatro circunscrições, disse o responsável o programa de vigilância de doenças, P. Chatterjee.

A mesma fonte alertou que os medicamentos e equipamentos disponíveis “não são suficientes” para prestar assistência ao crescente número de infetados, contabilizados atualmente em 18.603, pelo que as autoridades locais já pediram ajuda ao Governo central e às organizações humanitárias internacionais.

Três elementos da organização Médicos Sem Fronteiras deslocaram-se hoje à região para colaborar na assistência aos doentes internados nos diferentes hospitais de Tripura.

Porém, segundo a comunicação social local, 40 por cento das vítimas mortais, na maioria crianças, morreram em suas casas.

Segundo o Instituto Nacional para a Investigação da Malária na Índia, 519 pessoas morreram em 2012, em todo o país, na sequência da doença. Porém, um estudo publicado pela revista médica “The Lancet” revelou, há poucos anos, que a quantidade de mortes em resultado de malária podia ser, na verdade, até 13 vezes superior à publicada oficialmente, estimando que anualmente provoque 205 mil mortos.