Rádio Observador

NSA

NSA pode ter um novo Edward Snowden

Investigação alemã revela informações sobre o programa XKeyscore usado pela NSA para combater o anonimato na internet que não constam nos ficheiros já conhecidos. Há um novo Snowden por aí?

Edward Snowden está exilado na Rússia, mas informações novas sobre a NSA fazem crer que já inspirou ex-colegas a seguir-lhe as pisadas

Jessica Hromas

O ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional (NSA) Edward Snowden está exilado na Rússia há quase um ano depois de ter posto a descoberto dezenas de programas de vigilância desenvolvidos por aquela agência de inteligência norte-americana, mas isso não invalida que a NSA possa estar descansada. Segundo revelou na quinta-feira a cadeia de televisão pública alemã, foram reveladas novas informações vindas, muito provavelmente, de uma outra fonte que não Snowden.

O canal alemão Das Erste publicou um relatório sobre o funcionamento do programa da NSA XKeyscore, com uma análise parcial ao código do programa, onde são reveladas as regras daquela base de dados, que centra a sua atividade no rastreio dos endereços de IP de todos os utilizadores que procurem na internet por formas de proteção de privacidade. Uma destas ferramentas, uma das mais utilizadas, é a plataforma TOR – um software gratuito usado diariamente por milhares de pessoas em todo o mundo para escapar à censura, que permite preservar a identidade online e garantir o anonimato dos utilizadores.

O TOR é particularmente utilizado por dissidentes e ativistas dos direitos humanos de todo o mundo com o intuito de poderem aceder à internet sem serem rastreados e acusados pelos seus governos. Sempre foi, por isso, um alvo preferencial da NSA.

“A NSA está a concentrar esforços para combater todos os espaços brancos [de anonimato] deixados na internet”, escreveram alguns dos autores da análise feita ao código do XKeyscore, como Lena Kampf, Jacob Appelbaum e John Goetz, todos associados ao projeto TOR. “A mera visita a sites ligados a questões de preservação da privacidade é suficiente para o endereço de IP do utilizador ser logo rastreado e aparecer na base de dados da NSA”, dizem.

A questão é que, segundo a investigação dos media alemães, especialistas que estão por dentro do caso Snowden e que tiveram acesso aos documentos do ex-espião, garantem que se trata de informação nova proveniente de uma nova fonte de informação – não de Edward Snowden.

Primeiro, foi o ativista e autor do blogue Boing Boing, Cory Doctorow que avançou que, na sequência das revelações, um especialista “acreditava que a fuga de informação poderia vir de uma segunda fonte, uma vez que não tinha encontrado nada relacionado com isso nos ficheiros originais de Snowden, e tinha visto outras revelações que também pareciam independentes dos materiais de Snowden”.

A teoria foi depois sustentada por Bruce Schneier, especialista em segurança que trabalhou diretamente com o jornalista do The Guardian Glenn Greenwald na altura em que Snowden lhe revelou os documentos e que, por isso, conhece bem o conteúdo dos ficheiros desviados pelo ex-funcionário da NSA. “Como disse o Cory, também não acredito que isto tenha vindo de documentos do Snowden”, disse. “Acho que há um segundo informador”.

Schneier confirma assim que não viu nenhuma referência ao catálogo da TAO (Operações de Acesso Adaptadas), a unidade de hackers da NSA que é considerada a maior arma secreta da agência norte-americana por se infiltrar em computadores de todo o mundo, no material de Snowden, pelo que se trata de material novo.

“Se isto se confirmar são óptimas notícias”, dizem os responsáveis pelo software TOR que estiveram envolvidos na análise do código do programa. “A existência de uma segunda fonte significa que Snowden está a inspirar alguns dos seus ex-colegas a mergulhar fundo na atitude da NSA perante a lei e a decência”, dizem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)