Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Comissão Europeia já disse que sim: a Apple pode comprar a Beats. A autorização foi divulgada esta segunda-feira pela Comissão Europeia que analisou a compra de 2,2 mil milhões de euros da Beats Electronis, marca de auscultadores que o rapper Dr. Dre lançou em 2008, e da Beats Music, que oferece um serviço de música em linha em streaming nos Estados Unidos da América e na Austrália, ao abrigo do Regulamento das concentrações da União Europeia.

A Beats Electronics e a Apple vendem auscultadores no Espaço Económico Europeu e a concentração das duas empresas não coloca problemas de concorrência, concluiu a Comissão Europeia. A justificação está no facto de a combinação da quota de mercado de ambas ser reduzida. “Além disso, a Apple e a Beats Electronics não são concorrentes próximos, uma vez que os auscultadores que vendem apresentam funcionalidades e um design marcadamente distintos. Por outro lado, mesmo após a operação, um grande número de concorrentes mundiais, tais como a Bose, a Sennheiser e a Sony continuariam no mercado”, revelou a comissão, em comunicado.

A comissão também avaliou os efeitos prováveis da operação em termos da distribuição de música em suporte digital aos consumidores, no âmbito da compra da Beats Music, mas concluiu que é improvável que a operação conduza a efeitos anticoncorenciais. Em causa está o serviço de telecarregamento de música através do iTunes.

“A comissão concluiu que a operação não daria à Apple a capacidade e o incentivo para excluir serviços de streaming concorrentes do acesso ao iOS, o seu sistema operativo para dispositivos móveis”, refere a CE em comunicado. A conclusão baseou-se no facto de a Apple estar já ativa no domínio da distribuição de música digital antes da concentração.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR