A assembleia geral extraordinária do BES que estava marcada para quinta-feira foi desconvocada a pedido do Espírito Santo Financial Group e do Crédit Agricole, e comunicada hoje ao mercado.

No comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o Espírito Santo Financial Group invoca os “‘factos supervenientes e inesperados’ entretanto ocorridos”, como a apresentação pela própria ESFG de um pedido de gestão controlada no Luxemburgo.

Todas as propostas que tinham sido feitas foram retiradas e isso faz com que seja esvaziado o conteúdo da reunião prevista. A reunião estava marcada para a manhã de dia 31 de julho, no Hotel Altis em Lisboa.

Hoje soube-se também que o Tribuna de Comércio do Luxemburgo aceitou o pedido de proteção de credores feito pelo ESFG e Rioforte, depois de na semana passada já ter aceitado o pedido de gestão controlada da Espírito Santo Internacional.

O Observador conseguiu confirmar que a data para a divulgação das contas do banco se mantém, inalterada: será amanhã, logo depois do fecho dos mercados.

“A desconvocação da Assembleia-Geral Extraordinária não tem qualquer impacto na legitimidade das cooptações, na medida em que, tal como está previsto legalmente, as cooptações devem ser submetidas a ratificação na primeira Assembleia-Geral seguinte”, salientou à agência Lusa fonte oficial do BES.