Eleições Europeias

Abstenção nas europeias de 2014 foi a maior de sempre, apesar de os primeiros números terem mostrado o contrário

Os líderes europeus congratularam-se com a subida da participação nas europeias, mas festejaram demasiado cedo. Os números oficiais mostram afinal que a abstenção subiu e foi a maior de sempre.

AFP/Getty Images

Logo após a noite eleitoral de 25 de maio, vários líderes europeus (alguns vitoriosos, alguns derrotados) ressalvaram um dos resultados mais positivos destas eleições: pela primeira vez desde que se realizam europeias, a participação eleitoral tinha subido. Dois meses depois, o Parlamento Europeu reviu os números e afinal a participação foi a mais baixa de sempre.

Apenas 42,54% dos europeus foi votar nestas eleições para o Parlamento Europeu, e assim, estas foram as eleições com menos participação desde que se realizam europeias. Os números, que logo após a noite eleitoral mostravam que a participação tinha sido de 43,09% foram revistos e, depois de todos os dados recolhidos, chegou-se à conclusão que afinal tinha sido mais baixa e assim mais baixa do que em 2009, como se pode ver no gráfico.

participacao_ee

Guy Verhofstadt, ex-primeiro-ministro belga e eurodeputado, era o candidato dos liberais a presidente da Comissão e apesar de a sua família europeia ter perdido as eleições disse após serem conhecidos os resultados “que finalmente se tinha invertido a espiral da participação em queda” e que este mandato do Parlamento Europeu seria “mais representativo por causa disso”.

No entanto, esses números eram apenas provisórios. O Parlamento Europeu tem vindo a reunir os números finais da participação nos 28 Estados-membros e chegou ao número oficial de participação dos quase 500 milhões de europeus: 42,54%. Em Portugal, a participação foi de 33,76%, mesmo assim, muito abaixo da média europeia.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)