Rádio Observador

Barrigas de Aluguer

Casal acusado de abandonar bebé com Trissomia 21

A mãe biológica adotou o bebé abandonado pelos pais, que tinha Trissomia 21. Agora, quer adotar o segundo, depois de saber que o pai adotivo já foi condenado três vezes por pedofilia.

Pattaramon Chanbua com o bebé.

AFP/Getty Images

A tailandesa que serviu de barriga de aluguer e deu à luz dois bebés pretende adotar a irmã do bebé abandonado com Trissomia 21, pelos pais adotivos. Pattaramon Chanbua, 21 anos, adotou a bebé alegadamente rejeitada pelo casal australiano, que levou apenas para casa a irmã, aparentemente saudável.

Agora, a tailandesa quer cuidar também da irmã depois de se tornar público que o pai adotivo foi condenado três vezes por abusar sexualmente de crianças. Segundo a Associated Press da Austrália, os documentos do tribunal mostram que o homem, que tem por volta de 50 anos e cuja identidade não é conhecida, abusou, pelo menos, de três raparigas com menos de 13 anos. A última vez que esteve preso foi em 1990 por atos de pedofilia com duas raparigas com menos de 10 anos. Foi condenado a três anos de cadeia. O site Nine Network diz que a mãe adotiva da criança confirma que o marido tem “um distúrbio”.

O caso começou quando um casal australiano contactou uma agência de barrigas de aluguer na Tailândia. Queriam ter uma família. Pattharamon Chanbua aceitou. Teve gémeos. Quando nasceram, o casal só levou a rapariga para casa. Estão a ser acusados de ter abandonado o menino, que tem Síndrome de Down, uma infeção no pulmão e insuficiência cardíaca. Os pais dizem que tinham apenas conhecimento de um bebé. A mãe biológica rejeita e diz que o pai, na altura do nascimento, visitou os dois bebés no hospital. Mais: Pattharamon Chanbua conta que os pais souberam que iria ter gémeos. Aos quatro meses de gestação, foram informados de que um deles tinha Trissomia 21. Perante o desconforto, pediram-lhe para abortar. A tailandesa recusou. Disse que o aborto ia contra as suas crenças budistas, adiantou ao jornal australiano ABC.

Os pais adotivos, que não querem ser identificados, dizem que tiveram “vários problemas” com a agência e descreveram a experiência como “traumatizante”, refere a BBC. “Quando chegámos ao hospital, vimos lá poucas pessoas. Não sabíamos quem era a senhora, foi muito confuso. A barreira da língua é complicada”, justificaram. O casal insiste na inocência e revela que a decisão de constituir família lhes tirou “cada cêntimo” que tinham. “Tivemos de poupar muito tempo para conseguir pagar uma barriga de aluguer”. Pagaram 11.094 euros a Pattharamon Chanbua, residente em Bangecoque. Reforçam que os problemas estão na agência, que “já nem sequer existe”, apontam.

A mãe de aluguer contou que o pai, ao chegar ao hospital, nunca olhou para o rapaz. Pegou na menina e foi embora, “apesar de os bebés estarem lado a lado”, conta. O caso está a gerar polémica na Austrália. O primeiro-ministro do país, Tony Abbott e o ministro da Imigração, Scott Morrison, já lamentaram a situação. “É incrivelmente triste”, sintetizou o primeiro. Perante a pressão pública para agir, Morrison lembrou que o caso aconteceu num país com outra legislação. À agência Associated Press referiu que o bebé poderia adquirir a nacionalidade australiana e que, nesse caso, teria cuidados médicos gratuitos no país. Para já, o gabinete do ministro avançou que estão a analisar o assunto.

A tailandesa adotou o bebé e diz estar a ponderar processar o casal de Perth, Austrália. O caso gerou uma onda de solidariedade. Até agora, já foram angariados mais de 98 mil euros para ajuda nas despesas médicas do bebé. A “maternidade de substituição” é ilegal na Austrália. Na Tailândia, é um negócio em crescimento. As autoridades australianas estimam que sejam “cerca de 200” os casais australianos que esperam filhos gerados por mulheres tailandesas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)