Obituário

Ramsey marcou e um famoso morreu. Outra vez

2.284

Robin Williams morreu depois de um fim de semana em que o jogador do Arsenal marcou um golo. Nada de especial, não fosse a sexta vez que um famoso perde a vida depois de Ramsey marcar.

Aaron Ramsey, galês, é jogador do Arsenal, de Inglaterra.

Paul Gilham

O relógio marcava 41 minutos e poucos segundos de jogo. Depois de um cruzamento vindo da esquerda a equipa do Arsenal lançou um rápido contra-ataque que apanhou o Manchester City desprevenido. Alexis Sanchéz furou pela direita e fez um passe a rasgar para Sanogo, o avançado dominou e entregou a bola “redondinha” a Aaron Ramsey. O galês, já dentro da área, de pé direito, bateu Willy Caballero. Golo do Arsenal, 2-0. Isto foi no domingo.

Não é coisa em que se pense logo. Quando chega a notícia da morte do ator Robin Williams, na segunda-feira à noite, vem à memória “Clube dos Poetas Mortos”, “O Bom Rebelde”, as personagens no grande e pequeno ecrã. Os sorrisos e as lágrimas motivados por interpretações magistrais. Mas passadas algumas horas… “Espera lá, o Ramsey marcou ontem!”

Há quem diga que não há coincidências, e quando Whitney Houston morreu, em Fevereiro de 2012, alguém tratou de começar a fazer as contas. A vários dos golos que Aaron Ramsey marcou na carreira sucedeu-se a morte de um famoso. E a lista não é tão pequena que seja desprezível.

• 1 de maio de 2011. Ramsey marca, no estádio do Arsenal, um golo ao Manchester United. No dia seguinte Osama Bin Laden é morto no Paquistão por soldados norte-americanos.

• 2 de outubro de 2011. O galês é o autor de um golo no estádio do Tottenham. Três dias depois Steve Jobs morre em casa, na Califórnia, após uma longa batalha contra um cancro pancreático.

• 19 de outubro de 2011. Já nos descontos, Aaron Ramsey marca o golo que dá a vitória ao Arsenal sobre o Marselha, por 1-0. No dia a seguir Muammar Kadafi é capturado perto de Sirte e é morto.

• 11 de fevereiro de 2012. O número 16 do Arsenal marca frente ao Sunderland. Nesse mesmo dia a a cantora e atriz Whitney Houston é encontrada morta na banheira de um quarto de hotel em Los Angeles.

• 30 de novembro de 2013. Ramsey faz dois golos no jogo do Arsenal contra o Cardiff City. No dia 1 de dezembro o ator Paul Walker morre num acidente de carro.

• E agora mais esta. 10 de Agosto. Aaron Ramsey faz o 2-0 frente o Manchester City, em jogo da Community Shield. No dia a seguir o ator Robin Williams é encontrado sem vida em casa.

É por tanta coincidência que já apelidaram os golos do galês como “os golos da morte”. Nas redes sociais não demorou até surgirem páginas a aludirem ao facto.

“Defender um remate de Aaron Ramsey é como salvar a vida a alguém”

Captura de ecrã 2014-08-12, às 12.35.15

“A maldição dos golos de Aaron Ramsey que matam celebridades”

Captura de ecrã 2014-08-12, às 12.35.49

 

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Não haverá outro Zeca

Paulo Colaço
456

Hoje os diretórios partidários não sabem (nem querem saber) o que é um jornalista. Veem-no como um adversário, um obstáculo. Não admitem que um jornalista tenha o “seu” ângulo de visão. 

Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia
624

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Obituário

Um herói civil

José Ribeiro e Castro
495

Não tinha espada, nem pistola ou punhal. A única arma que esgrimia era o lápis ou a caneta de tinta da China. De mãos nuas, teve a serenidade e a fortaleza diante dos desafios, a rectidão de propósito

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)