A agência espanhola de notícias EFE obteve a informação de fontes do Ministério da Saúde. O homem, de origem nigeriana, apresentava os sintomas característicos da doença: febre alta, mal-estar, vómitos e hemorragias.

No entanto, os exames realizados confirmaram que não está infetado pelo vírus. As mesmas fontes precisaram que não serão feitas contra-análises, já que o homem não terá tido contacto com pessoas infetadas.

Este foi o primeiro caso suspeito da doença em Espanha, após a morte do missionário espanhol repatriado para Madrid a 07 de agosto.

Outros suspeitos foram detetados em Espanha desde o início da epidemia de Ébola, que causou mais de 1.100 mortos desde o início do ano, em quatro países da África Ocidental: Guiné-Conacri, Libéria, Serra Leoa e Nigéria.

Nenhum caso suspeito foi confirmado em Espanha.

Em cinco meses, a epidemia de Ébola declarada na África Ocidental, a mais grave desde a descoberta da doença em 1976, causou 1.145 mortos, de acordo com o último balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS), de quarta-feira passada.

Na Europa, os resultados das análises ao vírus Ébola de uma mulher detida num centro prisional escocês, que ficou doente e foi transferida para um hospital, foram negativos, anunciaram no sábado os serviços de saúde pública.

A doença, que se transmite por contacto direto com o sangue e fluídos corporais de pessoas ou animais infetados, causa graves hemorragias e pode atingir uma taxa de mortalidade de 90%. Não é conhecida vacina.