Gravidez psicológica não é um mito, acontece mesmo, tanto a mulheres como a animais. A condição clínica nos humanos é chamada pseudociese e é tal e qual uma gravidez, com a diferença de que não existe nenhum embrião a desenvolver-se. As mulheres podem ter enjoos matinais, a barriga e as mamas crescem, e pode mesmo haver produção de leite. Um estímulo psicológico pode ser o suficiente para desencadear todas as reações hormonais que acontecem normalmente durante a gestação.

Uma mulher grávida sabe que pode beneficiar de algumas vantagens: passar à frente nas filas, arranjar um lugar sentado nos transportes, receber mais presentes e carinhos e, acima de tudo, satisfazer todos os desejos alimentares. Fingir uma gravidez de vez em quando poderia ter algumas vantagens, mas não seria eticamente correto. Para uma mulher, claro. Para um panda-gigante, porque haveria de ser um problema?

Ai Hin, uma fêmea de panda-gigante do centro de reprodução da província de Sichuan – Chengdu Giant Panda Breeding Research Centre -, na China, conseguiu garantir benefícios no tratamento durante algum tempo. A fêmea de seis anos começou a mostrar sinais de gravidez, movimentos lentos e perda de apetite, e os técnicos começaram a preparar o parto. Mas o comportamento da fêmea voltou ao normal ao fim de dois meses, não havia nenhuma gravidez.

“Depois de mostrarem sinais de gravidez, as futuras mães são colocadas em quartos isolados com ar condicionado e cuidados constantes”, explica Wu Kongju, técnico do centro de reprodução. Os pandas-gigantes são animais em vias de extinção e a reprodução em cativeiro é difícil, portanto todo o cuidado é pouco. “[As futuras mães em resguardo] recebem mais pães, frutas e bambu, portanto algumas fêmeas de panda mais espertas usam isto em proveito próprio para melhorarem a qualidade de vida.” Pode ter sido o caso de Ai Hin.

“Nas cadelas as pseudogestações são muito comuns”, conta ao Observador Jorge Cid, diretor do Hospital Veterinário do Restelo. “Devem-se a desequilíbrios hormonais.” O veterinário, que conhece melhor a situação nos animais domésticos do que nos animais selvagens, diz que nas gatas é muito raro. Nestas são mais comuns os cios permanentes.

As cadelas com pseudogestações podem apresentar vários sintomas de gravidez, com maior ou menor intensidade: aumentam o volume abdominal, produzem leite, deixam de comer, andam nervosas e começam a preparar um ninho para receber os filhotes. Os sintomas aparecem cerca de dois meses depois do cio, na altura em que os cachorros deveriam nascer. Pode acontecer apenas uma vez, como no caso numa cadela que não conseguiu emprenhar, mas também pode acontecer muitas vezes em cadelas que têm dificuldade em ficar prenhas, explica o veterinário.