Rússia-Ucrânia

Ucrânia: Kiev diz que milícias pró-russas tomaram aeroporto de Donetsk

Ucranianos dizem que as milícias separatistas pró-russas tomaram o aeroporto de Donetsk, no leste da Ucrânia, depois de o terem atacado com fogo de artilharia e morteiros.

Milícias pró-russas tomaram aeroporto de Donetsk

OLEG PETRASYUK/EPA

As autoridades ucranianas denunciaram esta quinta-feira que as milícias separatistas pró-russas estão a tomar de assalto o aeroporto de Donetsk, no leste da Ucrânia, depois de quarta-feira o terem atacado com fogo de artilharia e morteiros.

“Hoje [quinta-feira], às 06h00 (04h00 em Lisboa), os milicianos tomaram de assalto o aeroporto de Donetsk, numa ampla frente e armas de infantaria”, assegurou o porta-voz das forças de Kiev, Vladislav Selezniov, citado pelo diário Ukrainskaya Pravda.

Os separatistas atacaram, quatro vezes, posições ucranianas no interior do aeroporto na quarta-feira e, segundo Selezniov, chegaram mesmo a tomar um dos dois terminais, apesar de terem sido expulsos do edifício pouco depois pelas forças de Kiev.

“Os paraquedistas ucranianos travaram (esta noite) um potente ataque, no qual sete milicianos foram mortos e mais de dez ficaram feridos”, disse, esta madrugada, à agência russa Interfax, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia, Andrei Lisenko.

Pouco antes, o chefe da autoproclamada República Popular de Donetsk, Alexandr Zajarchenko, assegurou aos jornalistas que os seus homens planeavam tomar o aeroporto antes do final desta semana.

“Em dois ou três dias no máximo, o aeroporto passará a estar sob o nosso controlo”, apontou.

O aeroporto internacional de Donetsk é foco frequente das maiores tensões entre as tropas ucranianas, que controlam o recinto desde maio, e as mílicias pró-russas que o mantêm cercado, tentando tomá-lo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia-Ucrânia

Direito Internacional Russo /premium

Diana Soller

Tanto a Rússia como a Ucrânia usam como argumento principal a violação das normas do Direito Internacional pelo rival. Ambas têm razão. Só que Moscovo e Kiev estão a falar de coisas muito diferentes.

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)