O último líder da União Soviética, Mikhail Gorbachev, 83 anos, foi esta quinta-feira hospitalizado depois de o seu estado de saúde se ter agravado. “Na última semana senti-me relativamente bem, mas agora estou no hospital. Tive uma recaída e estou a ser observado, cheio de cabos”, disse o antigo dirigente soviético e Prémio Nobel da Paz de 1990 ao Serviço Russo de Notícias.

Gorbachev, que sofre de diabetes, tem recebido tratamento em vários hospitais alemães nos últimos anos. Em 2013, a sua saúde fê-lo faltar a vários eventos internacionais, incluindo o funeral da antiga primeira-ministra britânica Margaret Thatcher, com quem trabalhou nos últimos anos da Guerra Fria. É famosa a frase da “Dama de Ferro” depois de conhecer o líder soviético: “Gosto do senhor Gorbachev. É um homem com quem se pode conversar”.

Ao contrário de Thatcher e de outros governantes ocidentais, o pai da Perestroika é visto por muitos como o traidor cujas reformas levaram à destruição da União Soviética. Gorbachev anunciou a sua demissão no dia 25 de dezembro de 1991, depois 11 ex-repúblicas soviéticas terem formado a Comunidade de Estados Independentes.