O ministro das Finanças francês Michel Sapin, anunciou, esta segunda-feira, que o Governo reviu as metas orçamentais para 2015, para evitar um confronto com a Comissão Europeia, avança o Le Monde. As “novas medidas”, que incluem alterações quer do lado da despesa quer do da receita, visam reduzir o défice público em mais 3,6 mil milhões a 3,7 mil milhões de euros.

O défice estrutural, que exclui os efeitos cíclicos da economia, também vai ser reduzido, em mais 0,5 pontos do PIB e não nos 0,2 que estavam previstos anteriormente.

“A França apresentou os pormenores e elementos que nos permitem permanecer nos limites”, explicou Michel Sapin, citado pela Reuters.

A Comissão Europeia deverá manifestar-se na quarta-feira sobre a situação orçamental francesa: o orçamento do Estado para 2015 vai ou não respeitar as regras europeias?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na semana passada, Jyrki Katainen, comissário europeu para os assuntos económicos, pediu ao ministro das Finanças francês, que explicasse “as razões que levaram França a desviar-se dos objetivos fixados pela Comissão, no que diz respeito ao défice público e ao ajustamento do equilíbrio estrutural em 2015”, refere o Le Monde, e que gostaria de saber como é que o país pretende cumprir com as suas obrigações orçamentais para 2015, tendo em conta o Pacto de Estabilidade e Crescimento.

Em resposta, Michel Sapin afirmou, esta segunda-feira, que a França vai poder “permanecer dentro dos limites” e que, nos 3,6 mil milhões de euros de redução adicional, estão incluídos 1,5 mil milhões oriundos da atualização das previsões e cerca de 2 mil milhões de euros, que vão ser gerados do lado da receita. O Governo prevê arrecadar cerca de 900 milhões de euros com novas medidas de otimização fiscal e de luta contra a fraude.