A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) recomenda que Portugal elimine a taxa intermédia do IVA, de 13%, e que diminua a lista de bens a que se aplica a taxa reduzida, de 6%.

De acordo com um relatório bianual sobre a economia portuguesa divulgado esta segunda-feira, a OCDE considera que “as autoridades devem usar os progressos recentes e estender ainda mais o uso da taxa normal do IVA (Imposto de Valor Acrescentado)”, de 23%.

Para a Organização, uma forma de o fazer passar por “abolir a taxa intermédia atual de 13% e diminuir a aplicação da taxa reduzida de 6%”.

A OCDE deixa uma outra recomendação tanto para o IVA como para os impostos sobre o rendimento: “as isenções podem ser ainda mais reduzidas”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ainda no que se refere aos impostos sobre o rendimento (IRS e IRC), a instituição liderada por Angel Gurría refere que os impostos sobre o rendimento em espécie foram revistos, incluindo através da limitação de taxas especiais para os carros de empresa, mas defende que “estes tratamentos especiais devem ser abolidos em conjunto”.

Quanto aos impostos verdes, a OCDE afirma que “há claramente espaço para reforçar os benefícios ambientais dos impostos, por exemplo através da equalização da carga fiscal sobre o diesel e sobre o petróleo”, defendendo que isso pode diminuir a emissão de gases com efeito de estufa e outros poluentes.

A Organização destaca ainda que “não há justificação ambiental” para aplicar taxas menores ao diesel e sugere que Portugal “considere reduzir a despesa fiscal dos combustíveis, por exemplo os impostos preferenciais para o combustível agrícola e das pescas”.

Finalmente, a OCDE recomenda que se aumentem os impostos sobre os pesticidas, que são usados intensivamente na agricultura e que levantam preocupações ambientais e de saúde.

Este relatório da OCDE, que é publicado de dois em dois anos, vai ser apresentado esta manhã no Ministério das Finanças pelo secretário-geral da Organização, Angel Gurría, numa cerimónia onde estará também a ministra Maria Luís Albuquerque.