José Manuel Durão Barroso deu nesta quarta-feira a última conferência na sala de imprensa da Comissão Europeia no edifício Berlaymont e em cima da mesa esteve, naturalmente, o seu futuro político. Para já, garante Durão Barroso, ficará pela Bélgica para dar aulas e conferências, mas não recusa um regresso à política, em Portugal ou fora.

“Não estou a procura de um futuro político. Francamente, não tenho ambições, por agora, neste aspeto. Ainda não tomei decisões finais sobre o que vai ser a minha atividade depois da Comissão”, afirmou Durão Barroso, que deixa a Comissão Europeia depois de 10 anos como seu presidente, em dois mandatos consecutivos, para dar lugar ao ex-primeiro-ministro do Luxemburgo e do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker.

Para já, Durão Barroso diz que vai ficar pela Bélgica para dar alguns cursos e participar em conferências. “Uma coisa que já aceitei foi dar conferências e cursos na universidade, incluindo aqui em Bruxelas”, garante.

Questionado pelos jornalistas presentes se estava a ponderar entrar na corrida para o lugar de secretário-geral das Nações Unidas, Durão Barroso reforçou: “ainda não tomei uma decisão seja no meu país, seja em relação às Nações Unidas”. No curto prazo diz que não está no seu horizonte assumir qualquer cargo com responsabilidade política: “depois de 30 anos, acho que mereço pelo menos uma pausa”.

Durão Barroso, terminou a conferência de imprensa a ler, em português, o poema “Recomeçar”, de Miguel Torga.

“Recomeçar”

Recomeça….

Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças…