Norte

Na sexta-feira e no sábado não faltam eventos de Halloween. Em Esposende sugerimos a discoteca Pacha Ofir, que preparou para o dia 1 de novembro uma das maiores festas para quem gosta de dançar. Uma das artistas que promete atrair mais gente é a enérgica Blaya, dos Buraka Som Sistema. A entrada no dia custa 15 euros, totalmente consumíveis.

É a vez de Guimarães acolher a 15.ª Festa do Cinema Francês. O primeiro filme, “Libre et Assoupi”, sobre Sébastien e a sua única ambição na vida (a de não fazer nada) é o primeiro filme a ser exibido, esta sexta-feira, às 21h45, na Plataforma das Artes. Sábado, à mesma hora e no mesmo local, pode ver-se “Hope”, uma travessia desde o Deserto do Sara na tentativa de chegar à Europa e a uma nova vida. Domingo, às 21h45, no Centro Cultural Vila Flor, exibe-se “Eastern Boys”, drama de Robin Campillo que conta a história de Daniel, um homem maduro e discreto que convida um jovem na Gare du Nord a ir até sua casa. Os bilhetes custam 3,50 euros.

Na semana em que Alex Zhang Hungtai anunciou o fim do projeto musical Dirty Beaches, Braga recebe provavelmente uma das últimas atuações ao vivo. Inserido no GNRation, o concerto acontece este sábado, às 22h30, e no Black Box vão poder ouvir-se canções do novo álbum, Stateless, muitas delas gravadas em Lisboa, onde Alex fez uma residência este ano. Os bilhetes custam sete euros.

Começou esta quinta-feira mais uma edição do Porto Restaurant Week. Até 9 de novembro, 26 restaurantes “de topo” servem gastronomia inspirada na dieta mediterrânica pelo preço fixo de 20 euros, com entrada, prato principal e sobremesa. O melhor é ver a lista completa de restaurantes aderentes e fazer a reserva.

Na entrevista que deu ao Observador, Sérgio Godinho mostrava-se entusiasmado por regressar ao palco do Teatro Rivoli, no Porto, 15 anos depois. O momento chega este sábado, às 21h30, com novo concerto no dia seguinte, às 17h00. O músico e compositor português vai cantar os temas do disco ao vivo Liberdade, onde revisita os sucessos de sempre, mas arranjos totalmente novos. O destaque vai para um tema de Zeca Afonso, ate à data nunca fixado em disco, “Na Rua António Maria”. Bilhetes entre os 11,50 e os 15 euros.

sérgio godinho,

Sérgio Godinho regressa ao Teatro Rivoli, no Porto, 15 anos depois. ©Hugo Amaral/Observador

Centro

O Centro de Artes Visuais, em Coimbra, apresenta a exposição “Esta terra é a tua terra. Os anos 90 em Portugal, na coleção dos Encontros de Fotografia”. Com curadoria de Sérgio Mah, a exposição reúne pela primeira vez uma seleção de várias séries fotográficas realizadas em Portugal ao longo da década de 1990 por cerca de 40 fotógrafos portugueses e estrangeiros. Uma viagem visual pela realidade social e territorial do país. Para ver de terça-feira a domingo, das 14h00 às 19h00, com entrada gratuita.

Em Leiria promove-se a primeira edição do Festival de Teatro Infantil, entre os dias 2 e 30 de novembro. A primeira peça pode ser vista pelas famílias no domingo, às 16h00, no Teatro José Lúcio da Silva, chama-se “Comida Colorida, Estória Garantida” e pode ser que ajude os pais a convencer as crianças de que as frutas e os legumes são os nossos melhores amigos. Os bilhetes custam quatro euros.

“Portugal e a Grande Guerra” é o título da exposição documental que vai inaugurar este sábado, às 18h00, na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, em Leiria. Assinala-se assim o centenário da 1.ª Guerra Mundial, com dez núcleos diferentes e ainda a exibição de um filme inédito da trasladação do soldado desconhecido para o Mosteiro da Batalha.

Sul

O Surf At Lisbon Film Fest está de volta ao Cinema São Jorge, em Lisboa. O evento que dá a conhecer o que de melhor se produz atualmente na cinematografia de surf vai exibir, até domingo, longas e curtas-metragens, filmes de surf independentes, de cineastas nacionais e internacionais, mas não só. Paralelamente à exibição de filmes decorrem exposições de fotografia e pintura, espetáculos de música e workshops. O melhor é ver o programa e ver que “ondas” quer apanhar.

Nem concertos, nem touradas. Entre sexta-feira e domingo, das 11h30 às 21h30, a arena do Campo Pequeno, em Lisboa, vai acolher dezenas de pequenos produtores de vinho nacional, no regresso do Mercado de Vinhos. O objetivo é recriar o espírito dos mercados antigos portugueses, onde os vinhos se compravam diretamente aos produtores. E porque a fome também se pode fazer sentir, uma das novidades desta edição é a “Taberna do Mercado”, um espaço onde se vai promover o convívio e a degustação de vinhos e petiscos, inspirados nas antigas tabernas portuguesas, Queijos DOP – Denominação de Origem Protegida, enchidos do Alentejo e Trás-os-Montes, presunto de Barrancos, pão biológico, chocolates, azeites, compotas e chutneys. A entrada custa três euros, com oferta de dois euros em vales de compras.

antonio_firmino

As pinturas do cabo-verdiano António Firmino vão estar expostas no Chapitô, em Lisboa.

O Museu da Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, em Lisboa, celebra 20 anos com a inauguração de uma exposição onde fazem o balanço de duas décadas de atividade. A mostra reúne obras de arte, depoimentos de artistas e curadores, artigos de imprensa, fotografias e outra documentação. Uma oportunidade para conhecer, ou revisitar, muitas das obras de uma das mais importantes pintoras portuguesas. A exposição pode ser visitada de terça a domingo das 10h00 às 18h00, com a entrada a custar quatro euros.

Afinal quem conta histórias: a música ou as imagens? Pergunta difícil, a que o Teatro da Trindade, em Lisboa, vai procurar responder, este sábado e domingo, com a iniciativa “ouvir cinema na Trindade“. De curtas-metragens de animação a longas-metragens de ficção passando pelo documentário, com destaque ainda para momentos de aprendizagem e de partilha sobre a arte da conjugação destas duas linguagens, o evento culmina com um concerto inédito interpretado pela Lisbon Film Orchestra.

O pintor português Manuel Amado mostra, no Museu do Oriente, em Lisboa, 22 obras inéditas, a óleo sobre tela, todas dedicadas aos cavalos. Inspirada no livro Cavalo Lusitano, o filho do vento, de Arsénio Raposo Cordeiro, a coleção “Os Cavalos” procura captar a essência destes animais. A exposição pode ser visitada até 16 de novembro, de terça a domingo das 10h00 às 18h00 e a entrada custa seis euros. Às sextas-feiras, o museu abre até às 22h00 e a entrada é gratuita a partir das 18h00.

Se não pode ir até Cabo Verde, no domingo Cabo Verde vem até Lisboa. O Chapitô inaugura, às 22h00, a exposição “dança e melodia no pincel”, do pintor António Firmino. Às 23h00 há um concerto de cimboa, instrumento que tem origem em Cabo Verde e que vai ser tocado por Nhó Eugénio, e outro com batuqueiras. A noite termina com o afro-baile Celeste Mariposa.

Quem não quiser ir até Cabo Verde pode ir ver cinema italiano no Teatro do Bairro, em Lisboa. A próxima sessão do ciclo Domenica al Cinema é com o filme “La Mafia uccide solo d’estate“, uma história passada em Palermo, província do sul muito ligada à atividade mafiosa. Às 21h00, com entrada livre.

LaMafia-uccide-solo-destate

A mafia em Palermo levada ao grande ecrã, no filme “La Mafia uccide solo d’estate”. Exibição gratuita no Teatro do Bairro, em Lisboa

Sábado, 1 de novembro, começa em Évora o Festival de Teatro de Amadores. A peça que marca o arranque do festival, que se prolonga até ao final do mês, é “Meu marido que deus haja”, produzida pelo Grupo Cénico da Sociedade Recreativa Dramática Eborense. A comédia com a duração de 50 minutos conta a história de uma ex-imigrante no Rio de Janeiro, Anastácia, viúva, maltratada no seu primeiro casamento. De regresso a Lisboa, Anastácia volta a casar. Quem quiser saber como correu o segundo casamento terá de se deslocar até á Sociedade Recreativa e Dramática Eborense, sábado, às 21h30. A entrada é gratuita.

Para quem gosta de ler no fim de semana, sugerimos o novo livro de Rui Cardoso Martins. Relato em direto (mas não direto) do último século de um país, Osso da Borboleta é a primeira obra que o escritor e jornalista publica pela Tinta-da-China. A festa de lançamento acontece esta sexta-feira, no Teatro A Barraca e vai contar com leituras de Maria Rueff e André e. Teodósio, e com a música dos Cobertor Eléctrico. A partir das 21h30, com entrada livre.