Praia

Zonas costeiras precisam de plano estruturado para evitar estragos como no último inverno

O bastonário da Ordem dos Engenheiros defendeu ser necessário "um plano estruturado para garantir que as zonas da costa com maior risco de erosão", evitando estragos como os do último inverno.

ABELO/LUSA

Carlos Matias Ramos disse à agência Lusa que, após os danos na costa portuguesa, devido ao mau tempo do inverno passado, “fizeram-se apenas intervenções de remedeios, não intervenções profundas com base num plano estruturado para garantir que as zonas de maior risco pudessem ser protegidas com antecipação”.

“Não conheço nenhum plano estratégico de intervenção […], dai a minha dúvida e a minha quase certeza de que vamos ter a mesma situação que o inverno passado”, considerou o bastonário da Ordem dos Engenheiros.

Para o engenheiro, é importante “um reforço das intervenções na zona costeira, no sentido de garantir que as soluções não sejam remedeios” e que “não se cometam os mesmos erros que no passado, mas sim soluções que sejam adaptadas em todo o país com base na experiência”.

“O diagnóstico [à costa portuguesa] está feito, as soluções é que ainda há dúvidas sobre elas (…). Temos que ter consciência que a partir do diagnóstico, temos que arranjar soluções e, neste momento, estamos a atrasar essas soluções, por forma a garantir que construamos um país onde não esteja a perder constantemente território”, alertou.

De acordo com o bastonário Ordem dos Engenheiros, “o país tem capacidade técnica e engenharia disponível para ser utilizada” nas intervenções necessárias ao litoral.

“Temos consciência que há falta de dinheiro no país, mas façamos aquilo que se deve fazer e não adiemos para amanhã o que se pode fazer hoje […]. O papel do ordenamento do território é determinante para que este processo seja bem enquadrado e eficaz”, reforçou.

Carlos Matias Ramos falou à agência Lusa após o encerramento do ciclo de conferências sobre o litoral português, organizado pela Ordem dos Engenheiros, em Lisboa, onde foi debatido o tema “A engenharia costeira portuguesa e a defesa do litoral”, contado com a presença dos autarcas dos municípios de Almada e de Aveiro.

Joaquim Judas, presidente da Câmara de Almada, falou dos estragos do inverno passado na praia da Costa da Caparica, referindo que “esta tipologia de zonas costeiras precisa de investimento regular e permanente”.

“O município de Almada está a preparar-se para que neste período de inverno estejamos em melhores condições de defender a costa. Há um conjunto de obras que já estão em curso de reforço do paredão e dos esporões”, disse.

Segundo José Ribau Esteves, presidente da Câmara de Aveiro, o município apresentou este ano “problemas novos na praia da Barra, em Ílhavo, na praia do Furadouro, em Ovar, e baixo a incidência dos problemas na praia da Vagueira, em Vagos”.

“É crucial que com as boas lições que fomos tendo deste passado recente, possamos dar novas respostas aos problemas do território. Temos que ter investimento para defender a frente costeira, usando os fundos comunitários como instrumento de financiamento”, defendeu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)