Rádio Observador

IRS

PS responde à maioria: “Pequenas benesses” do IRS “não chegam”

A maioria enviou uma carta ao PS a desafiar para um consenso sobre as alterações no IRS e na fiscalidade verde, mas os socialistas não concordam com o método e duvidam dos objetivos das medidas.

Vieira da Silva diz que esta alteração significa cerca de 4% do agravamento de IRS feito por Gaspar

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O PSD e o CDS enviaram ao PS uma carta a desafiar os socialistas a conversarem sobre o IRS e fiscalidade verde, mas os socialistas não estão muito dispostos a darem o sim a duas medidas das quais duvidam. Ao Observador, o deputado Vieira da Silva, responsável pela área das finanças do PS no Parlamento, diz que há um “mito da neutralidade fiscal” destas medidas e que “as pequenas benesses” do IRS “não chegam” para ter o ok dos socialistas.

As propostas para a revisão do IRS, nomeadamente a quociente familiar, e a reforma da fiscalidade verde deram entrada no Parlamento separadas do Orçamento do Estado, mas serão discutidas ao mesmo tempo do documento. E o PSD e o CDS decidiram enviar uma carta aos socialistas – tal como noticiado hoje pelo DN e pelo Económico – para os convidarem a sentar-se à mesa para chegarem a um consenso, à semelhança do que aconteceu com o IRC.

Mas os socialistas não estão muito confiantes que o convite tenha algum resultado. Ao Observador, o deputado Vieira da Silva disse que, para começar, o PS “discorda” do “método” com que foi decidido o debate, ou seja, pelo facto de o Governo ter retirado da proposta do Orçamento estas duas propostas. Mas remeteu para mais tarde a discussão sobre o tema.

Contudo, mais do que isso, o problema está no conteúdo.

O socialista diz ter dúvidas da propagada neutralidade fiscal das duas reformas: “Este mito da neutralidade fiscal… os impostos do ambiente aparecem com pequenas benesses no IRS”. E defende que estas duas questões não podem ser aliadas uma à outra e “têm de ser discutidas com o seu interesse próprio”.

Na reforma do IRC, feita com o apoio dos socialistas no ano passado, a uma descida deste imposto estava aliada uma revisão do IRS, quando questionado se a reforma agora apresentada pelo Governo pode significar o cumprimento desse acordo, Vieira da Silva diz que esta reforma “não chega. Estamos a falar de um valor que andará à volta de 150 milhões de euros. E a esse valor tem de se deduzir o efeito da cláusula travão” o que significa que esta “proposta a quem chamam reforma do IRS significa 3,8% a 4% do que foi a variação de imposto feita por Vítor Gaspar”. Ou seja, para os socialistas, esta é uma gota no oceano quando comparado com o “brutal” aumento de impostos anunciado pelo ex-ministro das Finanças.

Para os socialistas este valor será ainda menor se se tiver em conta a cláusula travão que o Governo decidiu inscrever para evitar um agravamento do IRS para as famílias sem filhos. O acionamento por parte dos contribuintes desta cláusula (que só poderão fazer quando liquidarem o imposto em 2016) poderá pesar ainda mais na balança fazendo com que não haja qualquer neutralidade fiscal entre as duas propostas.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)