O partido pan-europeu Aliança de Liberais e Democratas da Europa (ALDE) vai reunir-se este fim de semana em Congresso em Lisboa, apesar de não ter nenhum partido afiliado em Portugal. No entanto, essa situação está prestes a mudar, já que nos próximos dias, os liberais europeus vão votar a adesão do MPT – Movimento Partido da Terra às suas fileiras. O eurodeputado José Inácio Faria, eleito pelo MPT, diz que esta adesão é natural já que a posição do partido “é ao centro e sempre foi”.

Ao mesmo tempo que decorre este encontro europeu de liberais que vai trazer a Portugal membros de governo, comissários europeus e eurodeputados de vários Estados-membros da UE, o MPT vai reunir-se também em congresso a poucos metros deste evento. José Inácio Faria diz ao Observador que estes dois eventos estão “interligados” e tanto ele como o atual presidente do partido, John Rosas Baker, vão intervir no congresso do ALDE, embora a aprovação como membros do partido europeu ainda não esteja garantida.

Questionado se o MPT não ficaria mais bem enquadrado numa organização política europeia como os Verdes, devido à vertente ecologista do partido, Inácio defende que o partido quer estar no “centro” da política portuguesa e que vem “preencher esse vazio” a nível nacional. O partido integrou o ALDE no Parlamento Europeu após ter havido alguns problemas com o grupo dos Verdes devido a posições assumidas por Marinho e Pinto, nomeadamente na questão da adoção por casais homossexuais integrando então o grupo dos liberais. “O ALDE está interessado em ter uma base participação em Portugal e o MPT assume essa posição”, conclui o eurodeputado português.

ALDE realiza primeiro Congresso em Portugal

Ao Observador, os liberais dizem que este é o seu “primeiro congresso em Portugal” e que durante três dias vão tomar decisões que vão “moldar a direção do liberalismo europeu nos próximos meses e anos”. O congresso decorrer entre 20 e 22 de novembro e entre as figuras que vêm a Lisboa está o primeiros-ministro luxemburguês Xavier Bettel, do Luxemburgo e outros três vão enviar mensagens por vídeo: Charles Michel, da Bélgica, Taavi Rõivas, da Estónia e Mark Rutte, da Holanda. Também Nick Clegg, parceiro de coligação de David Cameron e Artur Mas i Gavarró, líder da Catalunha enviarão mensagens a este congresso.

No passado, o PSD fez parte desta formação política, antes de mudar para o Partido Popular Europeu sob a liderança de Marcelo Rebelo de Sousa.