Carlos Santos Silva, amigo de Sócrates e que também está preso no âmbito da investigação da Operação Marquês, tem imóveis no valor de 5,5 milhões de euros e, segundo o Correio da Manhã, estas propriedades estão a ser investigadas para apurar se o verdadeiro dono destas casas e terrenos não será o antigo primeiro-ministro.

Segundo indica o jornal, “o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) está a passar a pente fino todo esse património, para apurar se os imóveis são de facto de Santos Silva, ou pertencem a terceiros”. O diário verificou junto das conservatórias do Regime Predial por todo o país que Carlos Santos Silva, antigo administrador do grupo Lena, tem 12 imóveis no país e o apartamento de Paris, no qual José Sócrates vivia e que tem o valor de 2,8 milhões de euros.

As restantes propriedades dividem-se entre casas, um escritório e terrenos em sítios como Lisboa, Sintra ou Torres Vedras. A casa mais valiosa em Portugal, ainda de acordo com o Correio da Manhã, é um apartamento localizado em Benfica, em Lisboa, com o valor de 840 mil euros. Santos Silva, amigo de longa data do ex-primeiro-ministro, está preso desde 20 de novembro, véspera da detenção de José Sócrates e também está indiciado pelos crimes de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais.