António Guterres

Guterres em entrevista. Apesar da decadência europeia, “continuo a preferir ser europeu”

100

Em entrevista ao Público sobre o ano de 2014, o Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados fala da desordem mundial e da perda de força da Europa, mas não diz uma palavra sobre Portugal.

António Guterres faz o balanço das crises internacionais de 2014 e não fala de Portugal

AFP/Getty Images

António Guterres acredita que a Europa vai “viver uma progressiva perda de influência à escala mundial”. Mas o alto comissariado das Nações Unidas para os Refugiados defende que há uma opção: “Pode fazê-lo de forma desordenada e com um preço muitíssimo elevado para os europeus, ou pode fazê-lo assumindo coletivamente os seus valores e assumindo uma estratégia comum”.

Numa entrevista ao jornal Público, publicada este domingo, em que faz o balanço de 2014, o presidente do ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) conclui todavia: “Com tudo o que se possa dizer acerca da relativa decadência europeia, ou da relativa ascensão de outros países, eu continuo a preferir ser europeu e a viver na Europa”. Portugal é um tema ausente da entrevista do ex-primeiro-ministro socialista que tem sido apontado como possível candidato à Presidência da República. Guterres, que decidiu a entrada do país no Euro, sublinha que a moeda única foi concebida como o objetivo da integração europeia.

A minha esperança é que o que tem ser tem muita força e que, um dia, as pessoas percebam que o caminho não é a renacionalização das políticas, o que não leva a coisa nenhuma”.

Para o responsável máximo pelos refugiados, é evidente a ausência da Europa política no mundo, perante uma presença francesa, alemã ou inglesa. Esta falha foi visível na abordagem feita à Turquia que para António Guterres foi “completamente errada”. Deveria ter-se dado a garantia de que entraria na União Europeia quando cumprisse os critérios de Copenhaga, mas como isso não foi feito, o país escolheu outros caminhos e “agora pagam-se as consequências disso”. Para o António Guterres, a Europa também não fez o suficiente em relação à Primavera Árabe.

Questionado pela jornalista do Público, Teresa de Sousa, sobre a hegemonia alemã, Guterres salienta que é preciso que outros países compreendam as suas responsabilidade a vários níveis, da economia ao asilo. Lembra que a Alemanha é o país que recebe o maior número de requerentes de asilo no mundo enquanto há países europeus a fechar as suas fronteiras.

Numa entrevista que tem como título “Todos perdemos”, o presidente do ACNUR dá o seu testemunho sobre as várias crises e conflitos de 2014, um ano em que o número de refugiados atingiu o valor mais alto desde a segunda guerra mundial, afetando 51 milhões de pessoas. Guterres refere os conflitos na Síria e no Iraque e alerta para a falta de financiamento do Programa Alimentar Mundial que abastece os campos de refugiados. O mapa dos deslocados passa ainda por África e por uma multiplicação de novos conflitos regionais como o vivido na Ucrânia que refletem a “desordem mundial”.

António Guterres realça a capacidade de intervenção limitada dos Estados Unidos, em contraste com os anos 90 e a crise de Timor Leste que viveu como primeiro-ministro. “Hoje é evidente que nada se pode fazer sem os EUA, mas que os EUA já não podem fazer nada sozinhos”.

 

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)