Religião

D. Manuel Clemente nomeado Cardeal pelo Papa

1.379

O Patriarca de Lisboa será, em fevereiro, Cardeal. O Papa Francisco nomeou D. Manuel Clemente este domingo e o Vaticano anunciou que o português vai ser oficializado no cargo a 14 ou 15 de fevereiro.

D. Manuel Clemente é o Patriarca de Lisboa desde maio de 2013, quando substituiu D. José Policarpo no cargo

Álvaro Isidoro / Global Imagens

O Patriarca de Lisboa será Cardeal. D. Manuel Clemente foi este domingo nomeado pelo Papa Francisco para o novo título. O português vai ser criado cardeal a 14 ou 15 de fevereiro, dias nos quais se realizará um consistório — reunião de cardeais –, anunciou o Vaticano. Em outubro, e durante duas semanas, D. Manuel Clemente esteve no Vaticano em representação da Conferência Episcopal portuguesa.

O patriarca português será um de 15 novos cardeais eleitores nomeados pelo Papa Francisco, provenientes de 14 países. “Qualquer cardeal é, acima de tudo, um conselheiro específico que pode ser consultado em determinados assuntos quando o Papa o desejar, pessoal ou colegialmente”, explicou, este domingo, a agência Ecclesia.

Até agora, Portugal tinha dois representantes no Colégio dos Cardeais do Vaticano: D. José Saraiva Martins, prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos (já com mais de 80 anos), e D. Manuel Monteiro de Castro, penitenciário-mor emérito. D. Manuel Clemente, aliás, é o quarto português a ser nomeado cardeal no século XXI — antes, também D. José Policarpo, falecido em março de 2014, fora nomeado cardeal pelo Papa João Paulo II.

D. Manuel Clemente, em entrevista ao Observador, confessou em dezembro: “Este Papa é um homem encantador”. O patriarca frisou que “não há dois papas iguais” e revelou esperar “que este Francisco dure muito e que a seguir venha um segundo e um terceiro” — por considerar “muito positiva a forma como leva à desabituação de coisas que podiam ser dadas por adquiridas, mas que foram desaparecendo”.

Manuel José Macário do Nascimento Clemente nasceu em Torres Vedras, a 16 e julho de 1948. Formou-se em História Geral na Universidade de Lisboa, tendo depois ingressado Seminário Patriarcal do Cristo Rei dos Olivais. Doutorou-se em Teologia História, na Universidade Católica, e foi ordenado padre em junho de 1979. Vinte anos depois é nomeado como Bispo do Porto, cargo que assumiu até maio de 2013, quando substituiu D. José Policarpo como Patriarca de Lisboa.

O Vaticano integra atualmente 110 cardeais eleitores, entre os quais 52 são europeus — dos restantes, 17 são naturais da América do Norte, 16 são latino-americanos, 13 vêm de África, 11 são provenientes da Ásia e apenas um é oriundo da Oceânia.

Entre os 15 cardeais nomeados na manhã deste domingo pelo Papa Francisco está também D. Arlindo Furtado, Bispo de Santiago, em Cabo Verde, além de D. Júlio Duarte Langa, bispo emérito de Xai-Xai, em Moçambique. Esta é a segunda vez que o Papa Francisco, desde que assumiu o pontificado, em março de 2013, nomeia cardeais: em 2013, o sumo pontífice escolheu 19 novos cardeais, 16 dos quais eleitores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cristianismo

A Ucrânia e os valores cristãos da Europa

Pavlo Klimkin
373

Na Rússia ortodoxa nunca houve liberdade, democracia, abertura, nem tolerância como valores. Portanto, a Rússia não pertence à civilização da Europa, apesar de todas as semelhanças externas. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)