500kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O que já sabemos sobre o atentado ao Charlie Hebdo em 20 pontos

Este artigo tem mais de 5 anos

O Observador resumiu os principais acontecimentos do atentado ao jornal Charlie Hebdo ocorrido na manhã desta quarta-feira em Paris, para que fique a saber o que já ocorreu até o momento.

Manifestações de solidariedade para com as vítimas do ataque ao jornal Charlie Hebdo tem ocorrido em todo o mundo.
i

Manifestações de solidariedade para com as vítimas do ataque ao jornal Charlie Hebdo tem ocorrido em todo o mundo.

Getty Images

Manifestações de solidariedade para com as vítimas do ataque ao jornal Charlie Hebdo tem ocorrido em todo o mundo.

Getty Images

  • Três homens armados entraram na redação do Charlie Hebdo e causaram pelo menos 12 vítimas mortais e quatro feridos muito graves, bem como outros sete feridos ligeiros.
  • Entre os jornalistas mortos, encontram-se alguns dos principais cartoonistas da publicação, como o diretor da publicação conhecido como Charb, Wolinski, Cabu, Tignous e Honoré. Morreram ainda dois polícias (um deles fazia proteção pessoal a Charb), dois colunistas do jornal Bernard Maris, economista, e Elsa Cayat, psicanalista, o revisor Mustapha Ourrad e Michel Renaud, antigo Chefe de Gabinete do Presidente da Câmara de Clermont. Morreu também Frédéric Boisseau, o porteiro.
  • A polícia francesa divulgou as fotos de Said Kouachi e Cherif Kouachi e pediu aos cidadãos a ajudar a encontrá-los.
150107185546-paris-attack-suspects-large-169

Cherif Kouachi (à esquerda) e Said Kouachi (à direita) estão a ser procurados pela polícia francesa.

  • Os agressores fugiram num carro que estava parado numa rua ao lado do Boulevard Richard-Lenoir e trocaram tiros com a polícia. Eles abandonaram o carro no Arrondissement 19, perto da estação de metro Porte de Pantin, onde roubaram um outro veículo.
  • Ao final da tarde desta quinta-feira a equipa de operações especiais da polícia encontrou o veículo usado pelos suspeitos, um Clio cinzento, abandonado entre as aldeias de Fleury e Corcy, na mesma região. Suspeita-se agora que os homens tenham fugido a pé e uma testemunha garantiu que os viu a entrar na floresta.
  • A polícia considerou credível o álibi apresentado pelo jovem de 18 anos, Hamyd Mourad, identificado inicialmente como sendo o terceiro suspeito no ataque ao jornal satírico Charlie Hebdo. À hora do ataque estaria no liceu, numa cidade da região parisiense, o que teria sido já confirmado.
  • Grande parte dos meios policiais e militares do país concentram a busca na região Longpont, em cuja floresta se crê estarem os dois suspeitos. Foi ali, em Villers-Cotterêts, que um gerente de uma bomba de gasolina reconheceu os suspeitos. Outra testemunha garantiu que os viu a entrar na floresta de Longpont, descrita como sendo “maior do que Paris”.
  • Segundo especialistas em segurança, os homens tinham treino militar e agiram com frieza.
  • Said Kouachi, um dos suspeitos, terá estado no Iémen em 2011, relatam os jornais e cadeias de televisão norte-americanos como The New York Times, CNN e NBC. Os dois irmãos estariam também impedidos de entrar nos EUA.
  • Chérif Kouachi foi condenado a 18 meses de prisão em 2008, acusado de ter ajudado em operações de militância islâmica no Iraque.
  • A França elevou o seu alerta de segurança para o nível máximo e reforçou a segurança do país para proteger edifícios públicos, escritórios de imprensa, estações de transporte e principais pontos turísticos de Paris. O Presidente François Hollande falou à nação na noite desta quarta-feira e disse que “a liberdade vai ser mais forte do que a barbárie”.
  • Em França foi decretado um dia de luto nacional nesta quinta-feira, onde uma multidão juntou-se na Praça da República, em Paris. Às 20h, hora local, as luzes da Torre Eiffel foram desligadas.
  • A Praça dos Restauradores em Lisboa recebeu nesta quinta-feira uma concentração de centenas de pessoas que quiseram mostrar solidariedade para com as vítimas do ataque em Paris que vitimou dois polícias e 10 membros do staff da redação do jornal Charlie Hebdo
    • Vários líderes mundiais deram as condolências ao país, nomeadamente Angela Merkel, Ban Ki-moon e o Papa Francisco. Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, apareceu de surpresa na embaixada de França em Washington nesta quinta-feira e assinou o livro de condolências. “Vive la France”, escreveu.
  • Os ministros da Administração Interna (ou do Interior) europeus e dos Estados Unidos vão encontrar-se este domingo em Paris para discutir formas de coordenar o combate ao terrorismo. A reunião foi anunciada pelo ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve.
  • Luc Bronner, diretor adjunto das redações do Le Monde, afirma em comunicado de imprensa que a Radio France, o jornal Le Monde e a France Télévisions colocarão à disposição todos os meios “humanos e materiais necessários” para que o jornal Charlie Hebdo continue ativo. O jornal britânico Guardian e o Digital Press Fund, financiado pela Google, vão doar 128 mil e 250 mil euros, respetivamente.
  • Funcionários do Charlie Hebdo confirmam que a próxima edição sairá na quarta-feira e que terá uma tiragem de um milhão de exemplares.
  • O ataque ao jornal Charlie Hebdo levou a reações dos partidos de extrema-direita e eurocéticos da Europa. Marine Le Pen quer referendo sobre pena de morte.
  • Manuel Valls, primeiro-ministro da França, convocou todos os partidos a participar da marcha republicana a ser realizada neste domingo em homenagem às vítimas do atentado. O partido UMP do ex-presidente do país Nicolas Sarkozy foi convidado. Marine Le Pen (ainda) não.
  • As hashtags #JeSuisCharlie (#EuSouCharlie) e #RespectForMuslims (#RespeitoAosMuçulmanos) rapidamente espalharam-se pelas redes sociais e tornou-se trending topic em todo o mundo.
  • PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

    Ofereça este artigo a um amigo

    Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

    A enviar artigo...

    Artigo oferecido com sucesso

    Ainda tem para partilhar este mês.

    O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

    Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

    Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
    Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

    Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

    Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

    Já ofereceu artigos este mês.
    A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

    Aconteceu um erro

    Por favor tente mais tarde.

    Atenção

    Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
    Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.