Mais de quatro em dez franceses (42%) são favoráveis a que sejam evitadas publicações com caricaturas de Maomé, indica uma sondagem hoje divulgada no país.

Na sondagem, publicada no Le Journal du Dimanche, e nessa questão em concreto, 57% dos inquiridos dizem que não se devem considerar as reações extremistas contra as caricaturas e que as mesmas devem continuar a ser publicadas

De acordo com o trabalho, desenvolvido pelo Instituto Ifop para o periódico francês, é também dito que 50% dos inquiridos é favorável a uma limitação da liberdade de expressão na Internet.

A sondagem – cujo universo foi de 1.003 pessoas contactadas telefonicamente – surge depois dos acontecimentos recentes envolvendo o jornal satírico francês Charlie Hebdo, cuja sede, em Paris, foi atacada no passado dia 07 de janeiro pelos irmãos Chérif e Said Kouachi, dois ‘jihadistas’ franceses.

Os irmãos mataram no ataque 12 pessoas, incluindo cinco caricaturistas, entre os quais o diretor do jornal Stéphane Charbonnier.