O advogado Miguel Galvão Teles morreu na madrugada de sexta-feira no Hospital da Cuf, em Lisboa, vítima de problemas cardiovasculares. Tinha 75 anos.

Estará na Basílica da Estrela até à realização da missa de corpo presente no sábado às 16h30. Depois seguirá em cortejo fúnebre para o Cemitério do Alto de São João. Ainda esta sexta-feira, será realizada uma missa de corpo presente às 21h30.

Nascido no Porto, era um dos mais reconhecidos juristas portugueses, com uma carreira ligada ao Direito Constitucional e ao Direito Internacional Público. Sócio-fundador da sociedade Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados, uma das mais prestigiadas sociedades de advogados em Portugal, Miguel Galvão Teles foi, ainda, docente de Direito Constitucional na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, encarregado da regência de Direito Constitucional até 1978.

Durante a presidência de Ramalho Eanes, 1982 a 1986, foi membro do Conselho de Estado. Foi também membro do Conselho Superior da Ordem dos Advogados e do Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia.

Em 1995 assumiu a Presidência da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, cargo que ocupou até 2006.

Foi condecorado por duas vezes, com a Grã Cruz da Ordem Militar de Cristo e a Grã Cruz do Infante D. Henrique. Recebeu, ainda, os Prémios Gulbenkian de Ciências Político-Económicas (1959) e de Ciências Histórico-Jurídicas (1961). Foi o primeiro português a receber o prémio internacional de advocacia pela Chambers and Partners.