Avaliação de professores

Sindicatos de professores convocam greve a todos os serviços ligados à prova de avaliação

Vários sindicatos convocaram uma greve de professores e educadores a todo o serviço que seja atribuído entre 1 de fevereiro e 28 de fevereiro, relacionado com a prova de avaliação aos docentes.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Vários sindicatos convocaram uma greve de professores e educadores a todo o serviço que seja atribuído entre 01 de fevereiro e 28 de fevereiro, relacionado com a prova de avaliação de conhecimentos e capacidades (PACC), divulgaram hoje aquelas estruturas sindicais.

Segundo os sindicatos, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) mantém a sua insistência, “indiferente às fundadas críticas que têm surgido de múltiplos setores, na sujeição de docentes profissionalizados a uma prova que carece de justificação bastante, tendo previsto para fevereiro próximo envolver escolas, professores e avultados recursos na realização das denominadas componentes específicas da PACC.

“As organizações sindicais emitem este pré-aviso (de greve), dando continuidade a um necessário processo de luta contra uma medida inaceitável que se integra numa política que visa afastar docentes da profissão”, referem os sindicatos no pré-aviso dirigido ao primeiro-ministro e ao ministro da Educação e entregue ao final do dia sexta-feira.

No entender dos sindicatos – Fenprof, Sinape, Sipe e outros – a PAAC é geradora de “flagrantes injustiças e atropelos” a que o MEC, “único e verdadeiro responsável” por eles, “não cuida, minimamente, de resolver, preferindo adotar uma postura de arrogância perante todas as queixas, denúncias, relatos e sugestões que lhe têm chegado”.

No documento, os sindicatos lembram que pareceres e posições de especialistas vão, largamente, no sentido de coincidir com as leituras das organizações sindicais e com as razões de uma luta que só pode terminar com a “lúcida revogação” da PACC.

Os sindicatos insurgem-se ainda contra a exclusão de milhares de candidatos dos concursos externos e extraordinário e de contratação para o ano letivo em curso, alegadamente por falta de um requisito que era exigível aos professores e educadores, uma “gravíssima ilegalidade” que o MEC, dizem, “teima em não resolver”.

“A tutela denuncia, assim, os seus verdadeiros propósitos: afastar professores profissionalizados da profissão”, apontam os sindicatos, alegando também que o MEC mantém a “obstinação política” ao desconsiderar os próprios alertas do Provedor de Justiça que concluiu pela “invalidade das decisões de exclusão” e que as mesas estão “feridas de nulidade”.

É neste quadro de luta para “derrotar a absurda e perversa PACC” e também contestar o “inaceitável comportamento político” do MEC e do governo que as organizações sindicais dizem avançar para a greve.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições na Grécia

Um desconhecido indesejado

Maria João Avillez
120

Como detesto fingir e me recuso a pousar um olhar manso sobre o que está assanhado, só posso juntar-me ao coro onde cantam os que estão preocupados: o momento é perigoso, sob vários pontos de vista.

Avaliação de professores

Sobre os (maus) professores

Alexandre Homem Cristo
371

Goste-se ou não da PACC, estes resultados têm de nos fazer pensar. Sobretudo, têm de nos fazer colocar uma pergunta fundamental: quem queremos nas escolas a ensinar aos nossos filhos?

Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)