Bastou o chefe britânico partilhar a receita na sua página de Facebook, que tem mais de três milhões de seguidores, e, perante a imagem abaixo, os comentários de vários portugueses não se fizeram esperar.

bacalhaubrasoliver

O bacalhau à Brás (ou a tentativa de bacalhau à Brás) da polémica.

Houve quem questionasse a legitimidade da designação.

“Traditional bacalhau à Brás? In what country? You have to make a trip to Portugal to try the real one…” (Bacalhau à Brás tradicional? Em que país? Tem de fazer uma viagem a Portugal e experimentar o verdadeiro…)

Houve quem procurasse ser pedagógico, dando-lhe vários conselhos para melhorar a receita.

“If you choose to soak the cod, leave it for 48h (with multiple water changes) and the eggs go after all the potatoes, never before.” (Se escolher demolhar o bacalhau, deixe-o por 48h (mudando a água várias vezes) e os ovos vão sempre depois das batatas, nunca antes.)

E, claro, também não faltaram fotografias de exemplares dignos — ou, pelo menos, mais dignos — da receita em questão. O melhor é ver por si.

oliverbras

Apesar de o episódio não ter atingido proporções de incidente diplomático (pelo menos a maior parte dos ingredientes estão corretos) não teria ficado mal ao chef/apresentador/autor/empresário apresentar uma versão corrigida da receita. Mas nada disso aconteceu, pelo menos até agora.

Assim sendo, e para que o pobre Brás, taberneiro do Bairro Alto que alegadamente terá inventado esta mistura de bacalhau, ovos e batata frita, não fique a andar às voltas na sepultura por achar que a internet lhe está a estragar a criação, aqui fica uma outra receita deste clássico, esta vinda de fonte mais fidedigna, um dos livros sagrados do receituário nacional, A Cozinha Tradicional Portuguesa, por Maria de Lourdes Modesto.

Ingredientes
400g de Bacalhau
500g de Batata
6 Ovos
3 colheres de sopa de Azeite
3 Cebolas
1 dente de Alho
Salsa
Sal e Pimenta
Azeitonas Pretas de cura natural
Óleo para fritar

Preparação
Retire a pele e as espinhas ao bacalhau previamente demolhado. Esta operação pode ser muito facilitada se escaldar brevemente o bacalhau, vertendo sobre as postas água bem quente e deixando o bacalhau nesta água alguns segundos.

Desfie o bacalhau com as mãos e reserve. Prepare então as batatas, descascando-as e cortando-as em palha. Cortar em palha é cortar em palitos com cerca de 3 milímetros de lado, nunca mais. Frite estas batatas em óleo quente e retire-as assim que começam a alourar, o que é rápido. Reserve-as. Pique o alho muito fino e as cebolas em rodelas finíssimas e refogue lentamente em lume médio, num tacho de fundo espesso, até a cebola estar cozida e transparente. Junte então o bacalhau desfiado e mexa para que fique bem envolvido com a cebola e o azeite.

Junte então as batatas ao bacalhau e, com o tacho sobre o lume baixo/médio, acrescente os ovos batidos e temperados com sal e pimenta. Mexa com uma colher ou garfo de pau, continuamente, até o ovo se tornar cremoso, mas cozido. Passe imediatamente o cozinhado para uma travessa fria, para que a cozedura não continue. Salpique com salsa picada e sirva logo.

Acompanha-se com azeitonas pretas miúdas, ditas “galegas” e curtidas pelo método tradicional. Não use as modernas azeitonas pretas grandes e redondas, com o interior acinzentado pela curtimenta química.