Entre novembro de 2008 e janeiro de 2015, dez empresas de Carlos Santos Silva ganharam 115 milhões de euros. Em seis anos, o empresário, amigo de infância e alegado testa-de-ferro de José Sócrates na “Operação Marquês”, conseguiu 852 contratos públicos, a maioria por adjudicação e ajuste direto – 426 contratos por adjudicação, 281 por ajuste direto e 145 por concurso público.

Os dados agora revelados pela TVI confirmam uma tendência já antes sublinhada por várias investigações jornalísticas, inclusive pelo Observador: a grande maioria dos contratos assinados com o Estado e com autarquias foi celebrada no período entre 2009 e 2011, quando José Sócrates era ainda primeiro-ministro. Além disso, a região da Beira Baixa continua a surgir como o terreno mais fértil para os negócios de Carlos Santos Silva. Dos 282 contratos celebrados com autarquias – 75% por ajuste direto – as Câmaras de Castelo Branco, Belmonte e Covilhã surgem no topo da lista de clientes do empresário.

Uma realidade confirmada por um ex-trabalhador do Grupo Lena à TVI, que preferiu manter o anonimato. António, nome fictício, revelou que “As empresas de Carlos Santos Silva dominavam o mercado ali na zona”. E não era só o nome de Carlos Santos Silva que se ouvia na região, lembrou António. “O que zoava mais naquela zona era que aquilo tudo era do engenheiro José Sócrates“.

Apesar do aparente sucesso das empresas do amigo de infância de José Sócrates, a verdade é que duas delas já faliram e deixaram milhões de euros de dívida. Caso da Conengil, falida em 2003 e que deixou uma obra por terminar, que viria a dar muito que falar. “Era uma coisa que se conversava muito, que as empresas dele ficavam a dever aos fornecedores ali na zona da beira baixa e houve empresas até de fornecedores que faliram”, confirmou António à TVI. Mas o ex-trabalhador do Grupo Lena acrescentou: “Estranho foi aquela obra do quartel da GNR, em Castelo Branco. A Conegil faliu e o Grupo Lena pegou na obra, com o pai do engenheiro José Sócrates a fiscal da obra”.

Em relação às empresas de que Carlos Santos Silva foi administrador ou esteve ligado, os contratos assinados com o Estado e autarquias ascendem aos vários milhões de euros. Segundo os dados citados pela TVI e que, tendo em conta a tendência registada entre 2008-2011, apenas pecam por defeito – só a partir de 2008 foi obrigatório divulgar os dados relativos aos contratos públicos no portal BASE – a Constrope conseguiu 85 milhões de euros; a Congeva 13 ME; a EFS 7 ME; a Proengel e a Gigabeira 3 ME.

A investigação da TVI faz ainda referência ao número atípico de empresas de Carlos Santos Silva em relação ao panorama empresarial do país. O empresário, preso preventivamente na sequência do “Caso Marquês”, está associado a 33 empresas em apenas 28 anos de atividade – quase tantas como o grupo EDP (composto por 37 empresas) e bem mais do que a Sonae (seis empresas).