O Japão está a estudar o envio de tropas para missões internacionais da União Europeia, no âmbito da revisão da sua Constituição pacifista, avança esta quarta-feira a imprensa local. Esta medida será discutida na próxima semana, durante um encontro entre altos responsáveis da Defesa e Negócios Estrangeiros do Japão e da União Europeia, segundo explicaram fontes do Governo à agência Kyodo.

Esta seria a primeira vez que o Japão destacaria tropas para missões de manutenção de paz e cooperação internacional da União Europeia, algo que o país asiático já fez noutras operações das Nações Unidas. O envio de tropas faz parte da polémica revisão do papel das Forças de Autodefesa do país, que ambiciona ter um papel militar mais ativo e ganhar peso estratégico internacional.

O Executivo, liderado pelo primeiro-ministro Shinzo Abe, decidiu, no passado mês de julho, reinterpretar o Artigo 9.º da Carta Magna japonesa, que proíbe expressamente o uso de força para resolver disputas internacionais. Devido às restrições da legislação, até agora, as tropas japonesas só colaboraram em operações humanitárias e logísticas em missões da ONU e dos Estados Unidos, em países como o Iraque e o Afeganistão.