A onda de euforia que percorrera o Partido Socialista depois da primeira maioria absoluta da história do partido ainda estava bem viva quando a 12 de março 2005 – faz esta quinta-feira dez anos -, a equipa escolhida José Sócrates tomou posse como o XVII Governo Constitucional.

Dos homens e mulheres que se deslocaram naquele dia ao Palácio da Ajuda, muitos continuam a ser presença assídua na vida política portuguesa, ora como deputados e eurodeputados, ora como comentadores políticos. Os outros regressaram à vida empresarial ou à carreira académica.

Existe, claro, o caso de António Costa. Aceitou o convite de José Sócrates para se tornar ministro da Administração Interna, já depois de ter sido ministro da Justiça de Guterres. Deixou o Executivo socialista em 2007 para concorrer a presidente da Câmara Municipal de Lisboa nas eleições intercalares. Agora, depois de vencer as primárias e as diretas do partido, é o líder a quem os socialistas confiaram a missão de vencer as eleições legislativas em outubro.

O ainda presidente da Câmara de Lisboa não foi o único a abandonar o Governo de José Sócrates: além de substituições de ministros a meio do mandato – ou, no caso de Campos e Cunha, apenas quatro meses depois de tomar posse – e a grande remodelação depois das eleições legislativas de 2009, houve várias substituições ministeriais e membros do Executivo que ocuparam várias pastas – Luís Amado, por exemplo, começou como ministro da Defesa para acabar como ministro dos Negócios Estrangeiros. Mas não foi o único.

Veja a fotogaleria para saber o que é feito dos ministros que integraram o primeiro Governo de José Sócrates.