Rádio Observador

Caso José Sócrates

Escutas a Sócrates: “Se puderes [Santos Silva] trazer um bocadinho daquela coisa que gosto muito”

4.332

O ex-primeiro-ministro foi ouvido em várias escutas a pedir "fotocópias", "dossiê", "livros do Duda" e aquilo "que gosta muito". MP não tem dúvidas: Sócrates estava a pedir dinheiro que lhe pertencia.

O Ministério Público acredita que o dinheiro que circulava entre as várias contas de Santos Silva pertencia a Sócrates

AFP/Getty Images

José Sócrates, ex-primeiro-ministro e atual recluso número 44 do Estabelecimento Prisional de Évora, terá sido apanhado a pedir ao empresário e amigo Carlos Santos Silva para “trazer um bocadinho daquela coisa que gosto [gosta] muito”, revelou o Correio da Manhã, que teve acesso às escutas telefónicas realizadas no âmbito da Operação Marquês.

A expressão “bocadinho daquela coisa que gosto muito” é, ao que tudo indica, apenas um dos muitos códigos utilizados entre José Sócrates e Carlos Santos Silva no esquema de circulação de dinheiro criado para fugir aos radares das autoridades e para fazer chegar dinheiro ao ex-primeiro-ministro e ao seu círculo mais próximo. Pelo menos, são essas as suspeitas dos investigadores.

Alguns dos códigos utilizados já foram sendo conhecidos, desde logo as “fotocópias”, os “documentos” e “os dossiers”, mas também os “livros do Duda”. Expressões que, para o Ministério Público, deixam pouca margem de dúvidas: o tom e os códigos que utilizam, quer Santos Silva, quer José Sócrates, fazem crer que os fundos movimentados entre as várias contas bancárias e, muitas vezes, devolvidos em mão, pertenciam, mesmo, ao ex-primeiro-ministro.

No despacho que serviu para fundamentar a detenção dos suspeitos para interrogatório, citado pelo CM, o MP é claro: “Os pedidos de fundos realizados pelo arguido José [Sócrates] Pinto Sousa a Carlos Santos Silva não se apresentam como uma solicitação de benesse, até porque nunca questionam a existência de fundos, mas são feitos como o afirmar de uma vontade, com exigência, hora, local e pessoa para receber os fundos”.

O CM transcreve, aliás, várias dessas conversas, envolvendo, ora José Sócrates, ora Carlos Santos Silva. A certa altura, ouve-se Sócrates a dizer a Santos Silva que podia “ir buscar um bocadinho daquilo e [deixar] alguma coisa à Inês [companheira de Carlos Santos Silva]”. Noutra ocasião, ouve-se o empresário a dizer: “João Perna ficou encarregado de ir buscar guito”. Ou então José Sócrates a dizer para Santos Silva: “Podes entregar metade das fotocópias daquela vez”.

O que as escutas agora reveladas parecem esclarecer é que o esquema de autofinanciamento não envolvia apenas o antigo primeiro-ministro e o seu amigo de infância. Já se sabe que o MP suspeita que o advogado Gonçalo Trindade e o motorista João Perna tenham desempenhado um papel no esquema de fraude e branqueamento de capitais. Além deles, também o deputado socialista e antigo chefe de gabinete de Sócrates, André Figueiredo, a mulher de Santos Silva e o companheiro de Sofia Fava terão participado no esquema, garante o CM, com base em escutas telefónicas e documentação bancária na posse das autoridades, que terão, ainda, realizado várias operações de vigilância que incriminam José Sócrates e o seu círculo de amigos mais próximo.

Um círculo muito restrito do qual não faria parte, de resto, Fernanda Câncio, jornalista e ex-companheira de Sócrates. Numa das escutas telefónicas realizadas, é possível ouvir o ex-primeiro-ministro a repreender o motorista João Perna por este ter mencionado uma entrega de “documentos” num telefonema a Fernanda Câncio, quando o casal estava de férias no Algarve.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)