Rádio Observador

Câmara Municipal Lisboa

António Costa vai receber salário do PS

206

O líder do partido vai passar a ter um ordenado pago pelo partido. Regulamento de salários para a direção do PS foram aprovadas por António José Seguro.

Costa terminou colaborações com a comunicação social

JULIEN WARNAND/EPA

António Costa vai passar a receber ordenado do PS. A partir de hoje, o secretário-geral do partido vai deixar de ter outra fonte fixa de rendimento, uma vez que renuncia à presidência da Câmara de Lisboa, e passará a ser remunerado pelo partido, confirmou ao Observador o secretário-nacional do partido para a organização, Luís Patrão. As bases formais para pagamento de ordenado a membros da direção do partido foram aprovadas pela direção de António José Seguro.

A tabela salarial que António José Seguro aprovou para membros do Secretariado Nacional do PS (direção do partido), que estivessem em exclusividade de funções, prevê o pagamento de salário não só ao líder do partido como aos restantes dirigentes. De acordo com a tabela, o líder dos socialistas poderá ter um ordenado equiparado ao do primeiro-ministro (cerca de sete mil euros brutos por mês) sem despesas de representação e os secretários nacionais poderiam ter um vencimento semelhante ao dos deputados também sem despesas de representação.

O secretário-nacional do partido Luís Patrão confirma ao Observador que existem essas linhas gerais e que essa foi a base de trabalho deixada por Seguro, mas não quis concretizar o valor final, até porque, disse, cada caso em concreto deve ser analisado. O que resta é pois, trabalho burocrático.

A questão coloca-se agora uma vez que António Costa perdeu a única fonte de rendimento que tinha. Com a renúncia ao mandato de presidente da Câmara de Lisboa, o líder socialista perde o rendimento dependente, depois de perder o valor que lhe era pago pela SIC e pelo Correio da Manhã por ser colaborador do programa “Quadratura do Círculo” e pela coluna de opinião. Deixou as duas colaborações assim que foi eleito secretário-geral do partido, no final do ano passado.

No registo de património e rendimentos que entregou junto do Tribunal Constitucional em março, na parte dos rendimentos escreveu “sem alterações”, remetendo para “dados constantes na declaração de IRS relativa ao ano de 2013”. A declaração ainda não registava a quebra de rendimentos por causa da comunicação social uma vez que diz respeito ao ano de 2014. E remete assim para os dados de 2013 e nessa altura, Costa recebeu 63,457 euros de trabalho dependente (Câmara de Lisboa) e 91,875 euros relativo a trabalho independente. Segundo informação do PS, este valor de trabalho independente diz respeito apenas às colaborações com a comunicação social.

O pagamento de ordenado a líderes que não têm cargos eleitos – como foi o caso de Passos Coelho de 2010 a 2011 – é uma prática habitual dos partidos. No caso do PS, na anterior direção, essa questão não se colocava uma vez que António José Seguro era deputado à Assembleia da República. Mas o mesmo não se aplicava a alguns dos dirigentes do partido. Aliás, a alteração que Seguro fez ao regulamento do secretariado nacional acabou por ter dois beneficiários: os secretários nacionais António Galamba e João Assunção Ribeiro que estavam em exclusividade de funções e recebiam ligeiramente abaixo do que recebem os deputados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Lisboa

Uma grande oportunidade - o Jardim do Martim Moniz

Jorge Barreto Xavier
549

Estamos fartos da sucessiva e massiva redução do centro histórico das cidades a espaços de lojas, lojecas e lojinhas; de hotéis, hoteizinhos e apartamentos turísticos; de restaurantes, cafés e bancas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)