O antigo reitor da Universidade de Lisboa, António Sampaio da Nova, está a preparar a sua candidatura à Presidência da República, que deverá anunciar nos próximos quinze dias, avança o semanário Expresso na edição deste fim de semana. Sampaio da Nova estará a assumir que tem o apoio do PS.

Depois de Henrique Neto, será a vez de António Sampaio da Nova de anunciar a sua candidatura às eleições presidenciais, que se devem realizar no início do próximo ano. O Expresso diz que Sampaio da Nova tem uma equipa restrita a trabalhar intensamente para preparar a candidatura.

Sobre os apoios que terá, numa altura em que ainda se falam de muitos potenciais candidatos fortes na esfera política do PS, a candidatura acredita que terá o apoio do PS, mas quer avançar como independente, encontrando mais apoios à esquerda. Mário Soares já disse ao Expresso que gostaria que Sampaio da Nova avançasse e que, se o fizer, terá o seu “apoio”.

Sampaio da Nóvoa tem tido progressivamente nos últimos anos um papel mais ativo na política. Desde o início do ano, tem dirigido a iniciativa Políticas Públicas da Universidade de Lisboa, uma estrutura nova, criada para discutir e propor “políticas eficazes e promotoras do desenvolvimento de Portugal”.

Quando foi conhecida a nomeação do ex-reitor da Universidade Nova de Lisboa para liderar a plataforma recém-criada, o professor catedrático explicou ao Observador que esta era uma missão que estava a ser planeada há cerca de dois anos, desde a fusão da Universidade Clássica de Lisboa com a Técnica.

Na altura, desafiado a comentar se esta plataforma serviria como espécie de rampa de lançamento para uma eventual candidatura a Belém, Sampaio da Nóvoa negou que fosse esse o objetivo da organização e garantiu que não era candidato. “Não sou candidato a nada. As notícias que circulam não têm a ver comigo”, explicou então, acrescentando que esta iniciativa não é uma ideia recente.

O Observador sabe, ainda, que Nóvoa tem contactado várias instituições com que colabora para perceber se haveria algum conflito caso decidisse, de facto, formalizar a candidatura.