A cidade sagrada mais importante para o Islamismo, vai ter uma sex shop. Um empresário holandês filho de pais marroquinos, detentor de várias empresas no negócio do sexo, reuniu as permissões necessárias para abrir uma loja destinada a produtos eróticos, em Meca, na Arábia Saudita.

A loja chama-se Halal, a palavra islâmica que classifica todo o objeto ou ação que é permitido na lei islâmica. Abdelaziz Aouragh, o empresário, revelou ao International Business Times como a sex shop pode “melhorar a relação sexual entre o marido e a mulher.” Mas a Halal Sex Shop não venderá objetos tais como vibradores, vão estar disponíveis outros 18 produtos, todos eles em harmonia com o credo islamita.

“Os nossos produtos pretendem aumentar a sensualidade e melhorar o ambiente entre o casal e a sua relação sexual,” justificou o empresário. O Islão nunca reprimiu o sexo, de acordo com declarações de Hamza Yusuf, investigador norte-americano, à revista Foreign Policy. “O Corão fomenta o sexo, sempre e quando está dentro dos limites do matrimonia.”

O empresário já tem uma sex shop online, a Asira, que promove “uma coleção árabe única para uma vida de amor sensual”. Velas perfumadas e loções estão entre os poucos produtos disponíveis, que estão acompanhadas por frases como: “aproveitem-se um ao outro” e “cuidem um do outro, rezem e amem.”

“Não está certo que as mulheres muçulmanas estejam só nas cozinhas e usem sempre o véu, elas destacam-se também no amor,” revelou Aouragha à cadeia televisiva Alyaoum24.

A Halal sex shop ainda não tem uma data de abertura. Esta não é a primeira sex shop deste género: a primeira sex shop islâmica abriu portas em 2013, na Turquia.