Warren Buffett, provavelmente o maior investidor do século XX, e Bill Gates, o fundador da Microsoft, continuam a tentar convencer as pessoas mais ricas do mundo a doar a maioria das suas fortunas. Desde 2010, juntaram-se 128 multimilionários (ou casais de multimilionários) ao Giving Pledge, uma campanha lançada por Gates e Buffett para encorajar os muito ricos a aderirem à filantropia.

Todavia, Warren Buffett está a doar o seu património desde 2006. As fundações criadas pelos seus filhos foram os primeiros destinos, mas, agora, o terceiro homem mais rico do mundo promete destinar a maior parte das suas doações à Fundação Bill & Melinda Gates. Com um património de 39,4 mil milhões de euros, esta é a maior organização filantrópica privada.

Doações em ações

Em 2006, Warren Buffett dizia que já tinha doado 20% das suas ações da Berkshire Hathaway, a sociedade cotada que serve de veículo aos seus investimento. “Mais de 99% do meu património irá para filantropia durante a minha vida ou na minha morte”, assegura Buffett na carta que escreveu no lançamento do Giving Pledge (pdf).

Na prática, enquanto for vivo, Buffett planeia distribuir anualmente 4% das ações que lhe restarem. Os documentos submetidos à autoridade norte-americana dos mercados de capitais confirmam que o guru cumpre a sua promessa. A lista de aquisições e alienações de ações da Berkshire Hathaway revela apenas doações de Warren Buffett. A última foi na véspera de Natal: 3.300 ações da classe B, avaliadas em meio milhão de dólares (409 mil euros, na altura).

A filantropia será certamente um dos temas de Warren Buffett na assembleia de acionistas da Berkshire Hathaway no próximo sábado, a partir das 15h30 de Portugal continental. O Observador estará lá para lhe contar todos os pormenores.