O secretário-geral do PS insistiu esta quarta-feira que em relação ao atual Governo e à maioria PSD/CDS não haverá a mínima hipótese de compromisso, conciliação, convergência ou “qualquer outro sinónimo” existente num dicionário de língua portuguesa.

António Costa fez estas afirmações depois de ter estado reunido com o dirigente social-democrata germânico e ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, nos jardins do Goethe Institut, em Lisboa – encontro que durou cerca de hora e meia.

Confrontado pelos jornalistas com o repto da ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, para que haja um compromisso entre PS e Governo para a sustentabilidade da Segurança Social, António Costa respondeu: “Quantas vezes ao dia temos de dizer que não faremos nenhum consenso com o atual Governo e com as suas políticas. E não vale a pena insistirem nessa pergunta, porque nos perguntam isso três vezes ao dia e nós respondemos a sempre mesma coisa: Não haverá qualquer tipo de compromisso, convergência ou conciliação, qualquer sinónimo que seja encontrável no dicionário da língua portuguesa para nós compartilharmos a continuidade da política da coligação de direita”, afirmou.