Portalegre

Portalegre: PSP vai rever forma como crianças contactam com equipamentos policiais

A Polícia de Segurança Pública vai "rever, no imediato, o contacto das crianças com os equipamentos policiais", em iniciativas como as que decorreram em Portalegre, no dia Mundial da Criança.

Em causa está uma imagem publicada na página da Internet da Câmara de Portalegre, onde se vêem dois grupos de crianças a simular um confronto policial

Município de Portalegre

A Polícia de Segurança Pública (PSP) vai “rever, no imediato, o contacto das crianças com os equipamentos policiais”, em iniciativas como as que decorreram em Portalegre, no âmbito do dia Mundial da Criança, que originaram críticas dos pais.

Em causa está uma imagem publicada na página da Internet da Câmara de Portalegre, sobre uma atividade desenvolvida pela PSP no Dia Mundial da Criança, podendo ver-se dois grupos de crianças a simular um confronto policial, estando umas com escudos protetores e as outras a atirarem bolas de papel, simulando objetos.

Na sequência da divulgação noticiosa do caso, que a PSP considera que “não tem correspondência com a realidade”, e de a Associação de Pais do Agrupamento de Escolas do Bonfim, em Portalegre, ter considerado “não muito feliz” a ação desenvolvida pela PSP daquela cidade, a força de segurança veio anunciar mudanças no contacto com as crianças.

Em comunicado, “a PSP lamenta o significado que foi atribuído a um mero e redutor flash fotográfico, de uma atividade que traduziu uma brincadeira entre crianças num contexto de interação, que, explicado por adultos responsáveis, desmistificará qualquer significação pejorativa que lhe possa ser atribuída, particularmente se descontextualizada do enquadramento da atividade que era desenvolvida”.

“Não, obstante, no contexto dos vários programas de proximidade e interação com a comunidade escolar, a PSP irá rever no imediato o contacto das crianças com os equipamentos policiais”, acrescenta o comunicado.

A PSP afirma que, na situação em causa, que caracteriza como “simulação/brincadeira”, num contexto de criação de “cenários através dos quais se procura transmitir aos alunos comportamentos civicamente adequados”, não houve nem se incentivou “qualquer ação de conflitualidade ou violência, nem se procurou reproduzir qualquer ação policial operacional”, acrescentando que, entre familiares, professores e outras pessoas presentes na atividade, não houve qualquer manifestação de “desagrado, insatisfação ou reprovação”.

A imagem em causa gerou nas redes sociais vários comentários por parte dos utilizadores, que condenam esta ação desenvolvida pela PSP junto das crianças.

As atividades desenvolvidas no Dia Mundial da Criança em Portalegre foram promovidas pelo município, em parceria com diversas entidades, entre as quais a PSP.

Questionada pelos jornalistas, a presidente do município de Portalegre, Adelaide Teixeira, desvaloriza esta situação, considerando que a ação da PSP teve um “objetivo pedagógico”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)