Rádio Observador

G7

Obama acusa Putin de recriar “antigas glórias do império soviético”

Na reunião do G7, Obama disparou contra Putin. A aplicação de novas sanções está dependente do cumprimento do acordo de Minsk.

Os G7 estiverem reunidos esta segunda-feira em Krün, na Alemanha

Getty Images

Os líderes dos sete países mais industrializados do mundo ameaçaram Vladimir Putin com novas sanções económicas, caso este persista em perseguir o seu “desejo obstinado de recrear as antigas glórias do império soviético”, como referiu Barack Obama, e não cumpra o acordo assinado em Minsk, em fevereiro deste ano. O grupo esteve reunido esta segunda-feira, em Krün, no sul da Alemanha.

Num comunicado emitido no final da reunião, ficou claro que as medidas aplicadas à Rússia podem ficar mais apertadas. Tudo depende da implementação do acordo e do “respeito pela soberania da Ucrânia”. “Estamos prontos para tomar futuras medidas restritivas de modo a aumentar os custos na Rússia, se as ações assim o determinarem”, pode ler-se na nota divulgada.

Esta posição já tinha sido reforçada por Donald Tusk, que, antes do início do encontro, fez questão de frisar que “se alguém quiser iniciar um debate sobre a alteração do regime de sanções, essa discussão só poderá ser sobre o seu fortalecimento”.

Numa altura em que a violência na fronteira no leste da Ucrânia voltou a escalar, os G7 apelaram a Moscovo para que retire o apoio às forças separatistas e que faça uso “considerável da sua influência” para que estas cumpram “os acordos de Minsk na totalidade”. “Reiteramos a nossa condenação da anexação ilegal da península da Crimeia pela Federação Russa e reafirmamos a nossa política de não-reconhecimento”, refere ainda a mesma nota.

A duração das medidas já aplicadas está também dependente da implementação das medidas acordadas em Minsk, nomeadamente do cessar fogo e do retirar das armas. Estas poderão ser retiradas caso a Rússia cumpra a sua parte do acordo e respeita a “soberania da Ucrânia”.

Recordamos que a duração das sanções deve estar diretamente ligada à completa aplicação dos acordos de Minsk pela Rússia, e ao respeito pela soberania da Ucrânia. As sanções podem ser levantadas quando a Rússia cumprir esses compromissos”, refere o comunicado.

Na reunião desta segunda-feira, foram também abordados outros temas, como a economia mundial ou a luta contra o terrorismo. No capítulo dedicado ao ambiente, os G7 apelaram à necessidade de tomar medidas de combate às alterações climatéricas. Uma destas medidas poderá passar pela elaboração de um acordo “robusto, inclusivo e que reflita o envolvimento das circunstâncias nacionais” durante a Conferência sobre Alteração Climatérica, que decorrerá em dezembro, em Paris.

Defendendo a importância da mobilização do setor privado e o investimento em tecnologias de baixa emissão de carbono, o grupo propõe-se a intensificar o apoio aos países mais vulneráveis e a acelerar o acesso às energias renováveis em África e nos países subdesenvolvidos, através da redução da pobreza energética e da mobilização substancial de fontes financeiras a partir de investidores privados.

No que diz respeito às alterações climatéricas, outros dos objetivos passa por reduzir as emissões mundiais de gases com efeito de estufa de 40% a 70%, até 2050. A diminuição progressiva da utilização dos combustíveis fósseis foi também discutida.

No mesmo comunicado, os sete países apelaram ainda à divulgação de propostas de objetivos de emissões para depois de 2020 e reafirmaram a ambição “de tornar o Fundo Verde do Clima completamente operacional em 2015”. No final da cimeira, Barack Obama apelou à necessidade de agir rapidamente para evitar a subida da temperatura.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)