Dois dias depois de ter descido a nota de solvabilidade do Estado grego, a agência de notação financeira Standard & Poor’s aplicou o mesmo tratamento aos quatro maiores bancos do país, que considera estarem ameaçados de falência.

Os quatro principais bancos – Alpha, Eurobanco, Nacional e Pireu — viram a nota que exprime a avaliação da sua dívida de longo prazo baixar para CCC de CCC+, segundo um comunciado da agência.

A S&P atribuiu a estas notas uma perspetiva negativa, o que significa que pode vir a descê-las ainda mais.

“Os bancos gregos vão falir de certeza em 12 meses se não houver acordo entre o Governo grego e os seus credores”, previu esta empresa de rating.

No seu texto, acrescentou que os bancos gregos estavam confrontados com importantes retiradas de fundos, calculando que tinham perdido cerca de 35 mil milhões de euros em depósitos, cerca de 30% do total, entre o fim de novembro de 2014 e o fim de abril de 2015.

Estes levantamentos “continuaram em maio e aceleraram em junho”, estimou a S&P, indicando que esta tendência colocava os bancos gregos cada vez mais dependentes da ajuda do Banco Central Europeu.