Rádio Observador

Mundo

EUA preparam envio de equipamento militar pesado para o leste da Europa

Equipamento militar deverá equipar um total 5 mil soldados no leste da Europa e Báltico. O objetivo é tranquilizar os aliados depois da intervenção russa na Ucrânia. Plano espera aprovação.

AFP/Getty Images

O Departamento de Defesa dos EUA está a preparar o envio de equipamento militar pesado para vários países do Báltico e Europa de Leste, num gesto inédito desde os tempos da Guerra Fria. São milhares de tanques, veículos de combate de infantaria e outras armas pesadas que podem ser utilizadas por até 5 mil soldados. O objetivo, segundo afirmaram as autoridades norte-americanas este fim de semana, é tranquilizar os aliados e evitar novas agressões, no seguimento das intervenções russas na Ucrânia.

Se a proposta for aprovada ao mais alto nível – falta o aval do secretário de Defesa Ash Carter e da Casa Branca -, será a primeira vez desde o fim da Guerra Fria que os EUA estacionam equipamento militar nos mais recentes Estados-membros da NATO, que antes estavam integrados na esfera de influência soviética. E será apenas comparável ao que os EUA mantiveram no Kuwait por mais de uma década depois da guerra do Golfo em 1991.

A proposta do Pentágono, cujos detalhes e prazos ainda não são conhecidos, passa por colocar na Estónia, Letónia e Lituânia material bélico suficiente para cerca de 150 soldados em cada país, sendo que para a Polónia, Roménia, Bulgária e “possivelmente” Hungria a quantidade já seria maior: equipamento para cerca de 750 soldados, em cada país.

Trata-se, segundo o New York Times, do mais proeminente gesto conjunto dos EUA e da NATO no sentido de reforçar e reafirmar as forças na região do leste europeu e de, ao mesmo tempo, enviar uma mensagem clara ao presidente russo Vladimir Putin de que os EUA vão mesmo defender os seus aliados junto à fronteira russa. Certo é que, desde a inclusão dos países bálticos na aliança da NATO, em 2004, que os EUA e outras potências ocidentais têm evitado armazenar equipamento militar ou enviar tropas de forma permanente para o leste europeu, uma vez que procuravam sempre tentar chegar a várias formas de parceria com a Rússia.

No fundo, a iniciativa supõe a admissão de que a administração Obama não prevê um fim próximo para a intervenção da Rússia na Ucrânia, que começou e março de 2013 e que se arrasta desde então, com especial incidência no leste do país. Até agora, como resposta ao conflito russo-ucraniano, o mais longe que os EUA foram foi levar a cabo exercícios militares nos países da Aliança Atlântica no leste e manifestar o seu apoio a esses países, e à Ucrânia que não pertence à NATO.

De acordo com um porta-voz do Pentágono Steven Warren, citado pelo New York Times, a decisão sobre “se e quando” vai ser dada a ordem para colocar o equipamento no local ainda não está tomada: “O Exército norte-americano continua a ponderar e a conversar com os seus aliados sobre qual será a melhor localização para depositar tal material”, disse. O prazo, contudo, é limitado, já que a ideia é ter o plano aprovado antes da reunião dos ministros da Defesa da NATO a realizar este mês em Bruxelas, esclareceu um alto responsável norte-americano que falou ao jornal de Nova Iorque sob condição de anonimato.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)