Rádio Observador

Futuro da Grécia

Eurogrupo. Grécia recusa apresentar novas propostas

375

O impasse continua. Depois de mais um falhanço nas negociações, a Grécia diz que não vai apresentar novas propostas a tempo do Eurogrupo de quinta-feira, como queriam BCE e a Comissão.

AFP/Getty Images

O impasse continua e as posições ficam cada vez mais extremadas. Depois da impossibilidade de chegar a acordo com o FMI este domingo, entre um braço de ferro sobre as pensões, e depois do chumbo ao plano de Tsipras e Varoufakis em Bruxelas, a Grécia não vai apresentar quaisquer outras propostas na reunião do Eurogrupo desta quinta-feira. É uma forma de dizer que o Governo não está disposto a fazer mais cedências e concessões, para já, para desbloquear a tranche de ajuda financeira de que precisa para evitar o default.

Em declarações ao jornal alemão Bild, Yannis Varoufakis deixou claro que quaisquer novas propostas precisam de ser debatidas primeiro, a um nível inferior, antes de serem apresentadas ao mais alto nível na reunião dos ministros das Finanças da zona euro, agendada para a próxima quinta-feira no Luxemburgo. Segundo Varoufakis, a Grécia continua empenhada em encontrar uma solução e chegar a acordo com os credores, mas estes também precisam de levar as propostas gregas a sério de modo a desbloquear o impasse helénico.

Na segunda-feira foram, porém, vários os avisos ao Governo grego, no sentido de que teria de apresentar novas propostas rapidamente. Disse-o no Parlamento Europeu o presidente do BCE, Mario Draghi, onde pediu um “forte e compreensivo acordo o mais brevemente possível”, dizendo que “a bola” estava do lado grego, mas também uma porta-voz do presidente da Comissão. E repetiram-no vários líderes europeus, de François Hollande a Cavaco Silva.

O presidente francês falou sobre o assunto na segunda-feira aos jornalistas, à margem de uma visita à Argélia, onde insistiu que as negociações deviam continuar apesar do aparente bloqueio nas pensões e impostos. “Deve ser feito tudo para manter a Grécia na zona euro, mas a Grécia tem de perceber que essa permanência no euro exige um grande esforço”, disse.

De que lado está a bola?

De acordo com a Bloomberg, do lado do Governo grego diz-se que o primeiro-ministro Alexis Tsipras aguarda o convite dos credores para retomar as negociações, dizendo que a Grécia está pronta para responder a qualquer altura para iniciarem nova tentativa. Não é o que dizem, no entanto, outras duas fontes ligadas às instituições internacionais, que falaram sob condição de anonimato, de acordo com a mesma agência de notícias: são os credores que estão à espera que Atenas dê o primeiro passo.

Em todo o caso, sabe-se pelo menos, a avaliar pelas declarações de Varoufakis ao Bild, que a Grécia não avançará com nenhuma proposta pelo menos antes do encontro de ministros das Finanças do euro de quinta-feira.

Certo é que, com os sinais de frustração das negociações a espelharem cada vez mais a intransigência dos dois lados da mesa, e com o Governo grego a dar mostras de que chegou ao seu limite para fazer concessões, a possibilidade de uma saída da Grécia do euro tem ganho novos contornos nos últimos dias. Entretanto, está marcada para amanhã uma manifestação de apoio ao Governo grego, na praça principal de Atenas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)