É oficial: a partir desta quarta-feira, em Portugal, só podem ser vendidas bebidas alcoólicas a quem tem 18 ou mais anos. A nova lei do álcool entra em vigor e proíbe a venda total a menores, que até agora podiam comprar vinho e cerveja.

Com os festivais de verão à porta, os promotores arranjam forma de cumprir as novas regras. Até agora, à semelhança do que acontece nos Estados Unidos (mas para quem tem 21 anos), a solução imediata é a utilização de uma pulseira para distinguir os adultos dos menores.

A estratégia ainda não está completamente definida para todas as organizações. Mas a Música no Coração (MNC), produtora do Super Bock Super Rock (16 a 18 de Julho) e do Meo Sudoeste (5 a 7 de Agosto), já decidiu. Gonçalo Lopes, da organização, confirma que a MNC opta por distribuir pulseiras para quem tem mais de 18 anos. O caso fica arrumado: se é maior e quer beber uma cerveja, é só mostrar o pulso no bar.

De acordo com o fórum Talkfest, que analisou o perfil do festivaleiro, a grande fatia de espetadores dos festivais de verão tem entre 17 e 24 anos. Quem tiver 18 ou mais anos deve ir ao ponto de distribuição de pulseiras no recinto e, mediante a apresentação de identificação, trazer uma pulseira. O Observador quis saber mais pormenores sobre o novo acessório, mas ainda nada foi revelado.

“Cumprimos todas as regras e leis”

A expressão foi transversal a todos os promotores que o Observador contactou mas que, além da MNC, nada adiantaram. O Sumol Summer Fest (3 e 4 de Julho) acontece já no próximo fim de semana e, apesar de ser promovido pela MNC, tem um serviço de comunicação diferenciado, que não revelou qual o método de controlo pensado. Uma das responsáveis, Maria Lopes, diz apenas: “Vamos cumprir a lei e o que lá está em todos os parâmetros”, acrescentado que o SSF “é patrocinado por uma bebida não alcoólica”. Facto que não é impeditivo de vender bebidas com álcool, como acontece todos os anos.

A organização do festival Paredes de Coura (19 a 22 de Agosto) também não respondeu à curiosidade do Observador sobre a forma encontrada para agir de acordo com a lei mas, segundo a TSF, também vai utilizar um sistema de identificação com pulseiras: duas, com cores diferentes, para distinguir maiores e menores. À TSF, o promotor do NOS Alive (9 a 1 de Julho), Álvaro Covões, não falou sobre a forma de dar a volta à questão, mostrando apenas preocupação com o desconhecimento da lei por parte dos jovens. Ao Observador também não quis adiantar nada.

De acordo com um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), divulgado em maio, Portugal foi o quinto país que mais baixou o consumo de álcool entre 1992 e 2012, com um descréscimo superior a 20%.