tabouleh é uma salada libanesa muito fresca, simples e a transbordar de sabor que adoro fazer nos dias mais quentes do verão. Como em qualquer receita tradicional existem muitas variações, mas todas aproveitam os melhores ingredientes da estação como o tomate, o pepino ou o pimento. Agora, as rainhas desta salada são mesmo as ervas aromáticas e um bom tabouleh quer-se a estourar de verde. As mais usadas costumam ser a salsa e a hortelã, mas podem experimentar abrir horizontes com manjericão, coentros ou, para uma verdadeira explosão de sabores, combinar todas.

Tradicionalmente acrescenta-se ainda bulgur ou até couscous, mas este é um verdadeiro super tabouleh e para além de lhe juntar grão-de-bico, chamei dois convidados muitos especiais para esta festa aromática: a quinoa e o cânhamo. Podem ser pequeninos mas estão a rebentar de nutrientes e transformam esta salada num almoço leve mas super completo, ótimo para levar para a praia ou na marmita para o trabalho enquanto as férias não chegam. Para saberem tudo sobre eles espreitem o final da receita!

quinoa_2

tomate_salsa 

hortela_canhamo

Super tabouleh de quinoa e cânhamo

Ingredientes
2 a 4 pessoas

200 g de Salsa Fresca
2 mãos cheias de Hortelã, só as folhas
10 Tomatinhos Cereja, vermelhos e amarelos
1/2 Pepino
1/2 Pimento Vermelho
1/2 Cebola
100 g de Sementes de Cânhamo
150 g de Quinoa cozida
100 g de Grão de Bico Cozido
4 colheres de sopa de Sumo de Limão
6 colheres de sopa de Azeite
Sal Marinho Integral
Pimenta Preta moída na hora

Preparação
Picar muito bem a salsa, a hortelã, os tomates, o pepino, o pimento e a cebola.
Numa taça, juntar todos os ingredientes e misturar bem.
Se possível reservar no frigorífico por 30 minutos e servir bem fresca num dia quente de verão.

Fica ainda mais deliciosa no dia seguinte!

Dica: Deixem alguns tomatinhos cortados apenas em gomos para um efeito visual mais divertido.

tabouleh_2

As Super Estrelas

Quinoa

Considerada sagrada pelos Incas, esta super semente faz parte da alimentação dos povos andinos há mais de 4.000 anos. Com uma preparação muito semelhante ao arroz, a quinoa é uma ótima alternativa que nos fornece proteínas completas com todos os aminoácidos essenciais e ainda muitos minerais. Há mais de 120 variedades de várias cores, passando pelo bege, castanho e todo o tipo de tons avermelhados, sendo esta última a mais interessante nutricionalmente. A que mais se vê no mercado é a bege e pode aparecer em grãos, farinha ou até flocos. Sem glúten.

A quinoa é uma planta que se adapta a todo o género de climas e terrenos mas ainda continua a ser maioritariamente produzida na Bolívia e no Peru. Quando o resto do mundo a descobriu, a procura atingiu níveis altíssimos, causando um grande desequilíbrio socioeconómico nestes países. Hoje, felizmente, estão já a ser aplicadas medidas que protegem os agricultores e promovem um comércio mais justo. Quando comprarem tentem sempre saber a origem.

Antes de cozinhar a quinoa, demolhar se possível entre 1 a 8 horas, descartar a água de demolhar e cozer como o arroz, durante cerca de 10 minutos com o dobro da água.

Sementes de Cânhamo

Extremamente ricas em proteínas de alta performance, com todos os aminoácidos essenciais e facilmente digeridas e assimiladas pelo organismo, as sementes de cânhamo são muito populares entre os atletas e umas das melhores amigas dos vegetarianos e vegans. São uma ótima fonte de todos os ácidos gordos essenciais e apresentam o equilíbrio ideal de 3:1 de Ómega 6 e Ómega 3.

As sementes de cânhamo descascadas não apresentam inibidores de enzimas que impedem a digestão de proteínas tornando-as altamente assimiláveis pelo organismo e são compostas essencialmente por edestina — uma proteína considerada como a espinha dorsal do DNA e muito semelhante à nossa globulina no plasma do sangue, responsável pela produção de anticorpos –, e também por albumina, similar à proteína encontrada na clara de ovo, com propriedades antioxidantes. Apresentam ainda altos níveis de ácido glutâmico, um neurotransmissor que nos ajuda a lidar com o stress e a gerir melhor as emoções.

São vendidas já descascadas em lojas de produtos naturais ou em vários sites online (aqui, aqui ou aqui) e têm um sabor que lembra pinhões torrados. Adoro usá-las para enriquecer leites vegetais e batidos, juntá-las a papas de pequeno-almoço ou salpicar saladas, sopas e legumes com elas. O óleo também pode ser usado para temperar saladas ou acrescentar a bebidas para aumentar a absorção de nutrientes.

São totalmente seguras e não contêm nenhuma substancia psicotrópica.

Joana Alves é autora do blogue Le Passe Vite.