Se a ideia feita de que restaurantes com bom peixe só existem junto ao mar nunca fez muito sentido, com as opções existentes hoje em dia faz ainda menos. Come-se bom peixe onde houver bom peixe, seja numa esplanada sobre a praia, numa tasca à beira da estrada ou até, imagine-se, num centro comercial lisboeta. E é isso mesmo que acontece no novíssimo Barbatana. Apesar de ficar na recém-renovada zona de restauração do Centro Comercial Amoreiras, este não é um restaurante de centro comercial. É, isso sim, um restaurante num centro comercial. São coisas diferentes.

BarbatanaTP367

No futuro, o balcão do restaurante vai acolher menus de degustação diários idealizados pelo chef Miguel Laffan (foto: © Tiago Pais / Observador)

O Barbatana pertence ao grupo que detém o Porto de Santa Maria, uma verdadeira instituição no que ao peixe e marisco fresco diz respeito. A associação parece inesperada, mas faz parte de uma aparente estratégia de reinvenção do histórico — quase septagenário (abriu em 1947) — restaurante da Estrada do Guincho. Dela faz também parte a recente contratação do chef cascalense Miguel Laffan para consultor do grupo. Laffan, responsável pela estrela Michelin atribuída ao L’And, o restaurante do resort homónimo, em Montemor, tem supervisionado as várias novidades do grupo — não só este Barbatana mas também o Chicken All Around, um espaço dedicado a frangos no espeto, inaugurado há dois meses no Mercado da Ribeira e que esta semana chegará também ao novo Mercado de Algés.

BarbatanaTP341

A decoração faz esquecer que, lá fora, há quem se atropele por aproveitar as melhores oportunidades dos saldos. (foto: © Tiago Pais / Observador)

Para implementar o conceito do Barbatana — chamaram-lhe “atlantic fish bar” — Miguel Laffan não precisou de ser especialmente criativo nem de aplicar técnicas como as que lhe garantiram a distinção no guia dos pneumáticos franceses. “Quisemos apenas criar um restaurante onde as pessoas pudessem vir comer bom peixe”, resume o chef. E um dos mandamentos dos restaurantes do género é respeitar a matéria-prima. Quando esta é de confiança, dispensam-se os malabarismos. E aqui é. “Temos os mesmos fornecedores que o Porto de Santa Maria, a qualidade do peixe é muito idêntica”, conta. Não é de estranhar, por isso, que a carta seja relativamente simples: há clássicos do mar, como o caril, a cataplana ou o arroz de peixe, há peixe para grelhar que chega diariamente da lota — “quando chegar o expositor de peixe vamos ter uma variedade ainda maior”, promete Laffan — e é cobrado ao quilo, há marisco fresco para cozer e há petiscos diversos, dos rissóis de berbigão às pataniscas de caranguejo, que tanto podem ser pedidos para comer ao balcão, como no food court ou na sala.

BarbatanaTP270

O peixe, como é óbvio, é quem mais ordena. Só há uma opção de carne na ementa: um bife da vazia maturado a 30 dias. (foto: © Tiago Pais / Observador)

Esta divisão de espaços é especialmente importante. O Barbatana não ignora a sua localização, logo há uma parte do menu, mais coloquial, com tártaros, noodles ou torricados, que se destina a ser consumida na zona de restauração do centro comercial ou, para já, no próprio balcão do restaurante, que a partir de setembro irá acolher os menus de degustação diários. Na sala propriamente dita a oferta é outra, mais extensa e elaborada. Pede-o não só o conceito do restaurante como o próprio espaço, muito bem isolado do resto e que até está virado para rua, com enormes janelas que lhe dão luz suficiente para fazer o cliente esquecer que está num complexo do género. Só falta mesmo a vista marítima. Ou não.

Nome: Barbatana
Morada: Amoreiras Shopping Center, lojas 3019/3022/3023
Telefone: 91 358 2639
Horário: Todos os dias das 12h às 15h e das 19h às 23h. O balcão/food court funciona em horário contínuo das 10h às 23h
Preço Médio: 30€ (restaurante) / 12€ (food court)
Reservas: Aceitam