Rádio Observador

Direitos LGBTI

Shane Ortega, o militar americano que não devia existir

122

Shane Ortega participou em duas missões no Iraque como mulher e uma no Afeganistão como homem. É o primeiro militar transgénero assumido. Forças Armadas classificam como "desordem mental".

Facebook de Shane Ortega

Shane Ortega é um caso estranho para o exército americano. Os documentos de identificação dizem uma coisa, o registo militar diz outra, a Lei diz outra. Shane tem 28 anos e leva no currículo duas missões no Iraque e uma no Afeganistão. As duas primeiras como mulher, a terceira como homem.

Quando, há dez anos, entrou para as Forças Armadas, Shane ainda era mulher. Desde 2011 que é um homem. É o primeiro militar das Forças Armadas dos EUA a assumir-se publicamente como transgénero. Neste momento é chefe de tripulação de helicóptero na 25ª divisão de infantaria do Exército no Hawai.

Como ele, há mais cerca de 15 mil homens e mulheres militares transgénero, de acordo com um estudo realizado pelo Instituto Williams da Universidade da Califórnia. Mas os números não são precisos, porque é impossível contabilizar aqueles que o escondem ou aqueles que se demitiram (ou foram demitidos) por causa da sua condição.

Facebook de Shane Ortega

Facebook de Shane Ortega

Shane Ortega já alterou o género no registo civil. O passaporte e a carta de condução já têm “male” [“masculino”] no espaço correspondente ao sexo. Mas no sistema informático dos serviços militares, Shane ainda está inscrito no “sexo feminino”. Ali, ele ainda é uma mulher. “Continuo a usar o uniforme de mulher todas as quintas-feiras. Continuo a ser um soldado e a ter de seguir as regras. As pessoas continuam a trocar-me o género, chamam-me ‘ela’ ou ‘minha senhora’. Pessoas com quem eu trabalho“, conta à Fusion.

O regulamento médico para as Forças Armadas define os padrões de quem pode ou não exercer funções. A perturbação de identidade de género e a transexualidade estão identificadas como “desordens mentais”. E quem tiver uma desordem mental está “inapto para servir o país”.

Neste momento, o departamento de Estado está a rever a lei e a ponderar levantar esta proibição. Obama já proibiu a discriminação das pessoas transgénero para os cargos de governo e prepara-se para fazer o mesmo nas Forças Armadas.

No verão passado, Shane fez testes que mostraram que tinha demasiadas hormonas masculinas para uma mulher — resultado do tratamento hormonal que está a fazer no âmbito da transição. Ficou proibido de exercer funções durante os voos e ainda está em risco de ser afastado do exército. “Eu existo e isso continua a ser um problema“, explica o militar. Está sob as atenções do público e dos responsáveis das Forças Armadas, e é por isso que o militar não pode dar qualquer razão para ser dispensado. Confessa ao El Mundo:

Honestamente, agora tenho que ser perfeito. Não posso receber sequer uma multa por excesso de velocidade. Não posso chegar tarde. Não posso deixar de me barbear um dia que seja. Tenho que ser absolutamente perfeito”.

Shane começou a defender a mudança nas políticas do serviço militar há seis anos, quando ajudou a fundar um grupo de apoio a militares transgénero e juntou-se à Military Freedom Coalition. Tem o apoio da namorada, também transgénero, e com a transição de homem para mulher também concluída.

I really miss my unicorn, it's hard to sleep at night with no one to big spoon. #cutetranscouples

A photo posted by Shane Ortega (@minihulkin) on

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)